E se a escravidão não tivesse existido?

O racismo contra negros é algo tão abjeto quanto pervasivo: chega a ser difícil imaginar um tempo em que ele simplesmente não existiu. Mas houve esse tempo. Na Antiguidade e na Idade Média, pessoas da África Subsaariana eram, para os europeus, apenas estrangeiros de países distantes. Havia, é claro, o receio no contato entre etnias diferentes – mas não discriminação sistemática.

Isso mudou com a escravidão. A Europa herdou essa prática do Império Romano (onde ela não era pautada por cor de pele – os cativos eram prisioneiros de guerra, e vinham de todas as províncias: Britânia, Gália, Egito…). Com o tempo, essa mão de obra se tornou menor e menos importante, sob o argumento de que os escravizados eram, também, cristãos. Surgiu a servidão feudal, que predominou na Idade Média.

Do ciclo do açúcar ao ouro em Minas, o enriquecimento da Europa com as colônias americanas foi movido por pessoas negras escravizadas. E esse dinheiro sujo financiou até a Revolução Industrial.

E se a escravidão não tivesse existido?

publicado originalmente em superinteressante

2 respostas para “E se a escravidão não tivesse existido?”

✨🌻