Novo teste rastreia hanseníase em 24 horas

Dormência, manchas e placas na pele são sinais característicos da hanseníase. “O diagnóstico, em geral, é clínico, mas casos com manifestações imprecisas exigem testes laboratoriais”, explica a dermatologista Laila de Laguiche, presidente da Aliança contra a Hanseníase. “Só que, quanto mais tardia a detecção, maior o risco de sequelas físicas nas pessoas acometidas”, alerta.

Agora o laboratório paranaense Mobius Life Sciense criou um exame molecular de execução simples e baixo custo que entrega o resultado em um dia. “O teste demanda somente uma amostra de tecido, numa biópsia feita por um médico”, descreve a especialista. O método revela ainda se o quadro infeccioso é resistente a certos medicamentos, antecipando a indicação de tratamentos diferenciados.

Raio X da doença

As marcas na pele ainda geram estigma e preconceito

  • Nome: hanseníase
  • O que causa: a bactéria Mycobacterium leprae
  • Como se transmite: por gotículas de saliva e secreções nasais
  • Como prevenir: rastreamento e apoio da vacina BCG (para tuberculose)
  • Como se trata: combinação de antibióticos

Um mal comum no Brasil

A hanseníase faz parte do rol das chamadas doenças negligenciadas, e a incidência no país é a segunda maior no mundo — só perdemos da Índia.

De acordo com o documento Estratégia Global para Hanseníase, da Organização Mundial da Saúde (OMS), nosso país notifica mais de 10 mil casos todo ano, identificados sobretudo em bolsões de pobreza no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste.

Em recente estudo, pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP registraram fortes sinais da doença numa cidade do interior paulista. O resultado só confirma a necessidade de conscientizar a população sobre a importância de diagnóstico precoce e tratamento adequado para frear a transmissão.

Exame desenvolvido no país pode acelerar e tornar mais acessível o diagnóstico da doença

Novo teste rastreia hanseníase em 24 horas

publicado originalmente em Veja saúde

Óleos essenciais: o que um cheiro pode fazer por você?

A bioquímica Bettina Malnic é uma das poucas especialistas brasileiras quando o assunto é o funcionamento do nosso olfato. Ela criou o Laboratório de Neurociência Molecular no Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) para decifrar como as diferentes moléculas de odor se conectam a receptores no nariz e depois são interpretadas pelo cérebro. E, em seu pós-doutorado nos Estados Unidos, trabalhou com Linda Buck, cientista que, em 2004, ganhou o Prêmio Nobel por ter identificado os 400 receptores olfativos do ser humano.

Bettina ainda não sabe descrever, contudo, quais regiões do cérebro são ativadas por cheiros específicos. Nem ela nem seus pares. “Aromas diferentes podem excitar áreas e circuitos neurais diferentes. Alguns já conhecemos, como o sistema límbico, responsável por nossas emoções, e o hipotálamo, que controla reações fisiológicas como fome e sede. Mas não sabemos todas as regiões cerebrais impactadas pelos odores nem suas potenciais respostas a isso”, conta.

Sem descortinar por completo as redes e os reflexos do nosso sistema olfativo, é difícil garantir que as moléculas odoríferas irão despertar essa ou aquela reação psíquica ou física em alguém. E, para complicar, a gente sabe que o mesmo cheiro que agrada uns desagrada outros. Daí que cravar se um aroma terá efeito A ou B em mim ou em você é uma questão cheia de incógnitas para a ciência.

Depende! O uso de óleos essenciais e aromas se expande como uma solução para acalmar os ânimos, mas é bom ter cautela com as propagandas exageradas

Óleos essenciais: o que um cheiro pode fazer por você?

publicado originalmente em Veja saúde

No século 19, sobreviventes da febre amarela já usavam passaportes de imunidade

Em 1804, o território de Gibraltar, localizado ao sul da Península Ibérica, passou por uma epidemia de febre amarela. Ao longo de quatro meses, mais de 2,2 mil pessoas morreram pela doença, que é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. As autoridades de saúde tentavam frear o problema, mas essa não era uma tarefa fácil – já que naquela época ninguém sabia explicar como ocorria a transmissão. 

Gibraltar era um território estratégico, já que ficava ao lado da única rota que permitia a entrada no Mediterrâneo pelo Oceano Atlântico. Era um Território Britânico Ultramarino, e servia de fortaleza para muitos militares. As pessoas viviam amontoadas dentro dos muros da colônia, dividindo um quarto para dez pessoas, por exemplo.

Além disso, nenhum rio ou nascente atravessava o território – a população precisava coletar a água da chuva em baldes para consumo próprio. Era a receita para o desastre: a água parada combinada ao ambiente quente do verão formam um prato cheio para o Aedes aegypti. As infecções só cessariam com a chegada do inverno. 

A epidemia de 1804 não foi a única: também ocorreram surtos em 1810, 1813, 1814 e 1828. Uma pesquisa publicada no periódico científico BMJ Global Health mostra que as autoridades já estavam mais preparadas para o segundo surto. Foi criado um acampamento de quarentena, para onde os infectados eram levados à força até que a situação no território melhorasse. Cerca de 4 mil pessoas passaram por lá.

Moradores de Gibraltar, na Península Ibérica, recebiam “passes de febre” que liberavam a circulação no território. Dois deles estão guardados em um museu nacional.

No século 19, sobreviventes da febre amarela já usavam passaportes de imunidade

publicado originalmente em superinteressante

Brasil continua a vender Clorpirifós, agrotóxico banido nos EUA, e que foi ligado a diminuição do QI de crianças

Banido recentemente dos EUA, Europa e Argentina, inseticida clorpirifós continua na lista dos mais vendidos no Brasil. Não há data para revisão Por Pedro Grigori – Agência Pública/Repórter Brasil

  Em agosto deste ano, os Estados Unidos baniram o uso do inseticida clorpirifós depois que estudos apontaram problemas causados por este agrotóxico à saúde humana, entre […]

Brasil continua a vender Clorpirifós, agrotóxico banido nos EUA, e que foi ligado a diminuição do QI de crianças

publicado originalmente em blog do pedlowski

Vamos valorizar a polpa do coco verde

Todo ano, cerca de 2 milhões de toneladas de coco são destinadas à extração da água. “Isso significa que 60 mil toneladas de polpa acabam descartadas”, calcula a engenheira de alimentos Renata Torrezan, pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos.

Atentos ao desperdício, ela e colegas decidiram mostrar que é possível tirar proveito do interior do alimento. Assim, usaram a polpa do coco verde para elaborar doces e bebidas. “Agregando valor a essa parte, quem fabrica a água pode sair ganhando, assim como empresas interessadas na diversificação de seus produtos”, analisa Renata.

Em testes sensoriais, um ótimo indicativo: os voluntários não só gostaram das invenções com a polpa como se mostraram interessados em comprá-las.

Atributos internos

Algumas vantagens da polpa da fruta…

  • Mais leve: Ao contrário do coco maduro, o verde não se desenvolveu totalmente. Assim, é menos calórico.
  • Sabor suave: Por causa do gosto, Renata conta que a polpa casa bem com várias frutas, sobretudo as ácidas.
  • Rico em minerais: O alimento traz elementos como potássio, magnésio, cálcio, fósforo, manganês e zinco.
  • Poder de saciar: A polpa tem um pouco de fibras e gorduras como o ácido láurico. A dupla dá saciedade.

Enaltecido por causa da água, o fruto tem muito mais a oferecer

Vamos valorizar a polpa do coco verde

publicado originalmente em Veja saúde

Um princípio econômico pode explicar a evolução das cores em caudas de lagartos

A teoria da seleção natural, proposta por Charles Darwin, diz que apenas os animais mais aptos sobrevivem. As espécies que hoje habitam a Terra, então, teriam evoluído na medida certa para prosperar.

Porém, não é tão simples olhar para um animal e entender logo de cara por que ele possui (ou não) certas características. Um exemplo são os lagartos com caudas coloridas: ao mesmo tempo que a traseira do bichinho pode ser útil para camuflagem, ela é também um chamariz para predadores.

Em economia, há um princípio que explica essa relação. É o trade-off, que acontece quando se escolhe uma opção em detrimento de outra. Ir a um encontro com o crush é ótimo – mas você talvez precise abdicar daquela reunião com os amigos, marcada para o mesmo dia. Em um jogo de damas, você pode abrir mão de uma peça para conseguir capturar duas na próxima rodada.

Segundo pesquisadores da da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), esse tipo de relação pode ser a chave para entender a cauda dos lagartinhos. Em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e a Universidade de Auburn em Montgomery, nos EUA, eles exploraram a função da cauda colorida nestes répteis, explorando seus custos e benefícios.

Pesquisa brasileira tenta entender por que alguns répteis possuem caudas vermelhas – que trazem, ao mesmo tempo, vantagens e desvantagens ao animal.

Um princípio econômico pode explicar a evolução das cores em caudas de lagartos

publicado originalmente em superinteressante