Assista a “ESTUDO FAKE DA PREVENT SENIOR EMBALOU PROPAGANDA DE JAIR BOLSONARO PELA CLOROQUINA | Manda no Zap” no YouTube

Talvez o maior escândalo da saúde na história do Brasil…sim, e com respaldo do desgoverno que está jogando o país cada vez em um buraco mais fundo.

Alucinações e fanatismo, charlatanismo e más intenções, é o Brasil de 2021.

Manda no zap por aqui !

imagens da internet

Humanos podem estar produzindo roupas há 120 mil anos, diz estudo

Em estudo publicado na última quinta-feira (16), uma equipe de pesquisadores relatou a descoberta do que pode ser a evidência mais antiga da produção de roupas pelo Homo sapiens. Os objetos foram encontrados na Caverna Contrebandiers, em Marrocos, e datam de 90 a 120 mil anos atrás.

Os objetos encontrados são 62 ossos que parecem ter sido transformados em ferramentas, semelhantes a algumas utilizadas hoje para trabalhos com couro. São objetos de extremidade larga e arredondada, parecidos com espátulas. Eles provavelmente foram formados a partir de costelas de animais.

As ferramentas seriam ideais para remover e preparar o couro e a pele de animais, sem perfurá-los, para a produção de vestimentas – ou até materiais para outras produções, como abrigos. Os pesquisadores não descartam a possibilidade de que os objetos tenham sido utilizados para outras atividades também.

Os cientistas acreditam que os primeiros humanos transformavam os ossos desta maneira, para usá-los como ferramentas.

Não se tem certeza sobre quando a produção e o uso de roupas pelos humanos começou, mas provavelmente o hábito de se vestir surgiu há mais de 120 mil anos – alguns pesquisadores já indicaram até 170 mil anos. As roupas em si dificilmente se preservam, então os cientistas recorrem à análise de possíveis ferramentas usadas na confecção.

Nada de Adão e Eva pelados no Éden. Ferramentas encontradas em caverna do Marrocos podem ter sido usadas para preparar o couro de animais para a produção de roupas.

Humanos podem estar produzindo roupas há 120 mil anos, diz estudo

publicado originalmente em superinteressante

Crianças encontram fóssil de nova espécie de pinguim gigante na Nova Zelândia

O animal mais antártico que existe não surgiu na Antártica. Os fósseis mais antigos de pinguins datam de 60 milhões de anos, e foram encontrados na Nova Zelândia. Naquela época, a ilha estava grudada no continente gelado – um resquício do supercontinente Pangeia. Ao longo dos milhões de anos seguintes, o pedaço de terra que forma a Nova Zelândia foi “subindo” no mapa, como consequência do movimento das placas tectônicas. 

Por isso, não é surpresa encontrar fósseis de pinguins no país insular. A descoberta mais recente é a espécie Kairuku waewaeroa, descrita hoje (16) no periódico Journal of Vertebrate Paleontology. O fóssil foi encontrado em 2006 durante uma expedição escolar ao Kawhia Harbour, uma enseada na ilha do norte do país. As crianças escavaram restos fósseis do torso, pernas e asas do animal. Trata-se do fóssil mais completo de um pinguim gigante já descoberto.

O fóssil, escavado em 2006, só foi descrito recentemente por pesquisadores. O Kairuku waewaeroa chegava a medir 1,4 metros de altura.

Crianças encontram fóssil de nova espécie de pinguim gigante na Nova Zelândia

publicado originalmente em superinteressante

Defender as crianças indígenas e seus territórios é defender o patrimônio de toda a humanidade — Ecoamazônia

O Supremo Tribunal Federal proibiu hoje o uso de mercúrio no garimpo em Roraima. O programa Criança e Natureza atuou no caso em defesa da vida e da saúde das crianças indígenas Terminou hoje, 15 de setembro, o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 30 more words Defender as crianças indígenas e seus territórios é defender […]

Defender as crianças indígenas e seus territórios é defender o patrimônio de toda a humanidade — Ecoamazônia

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro

Assista a “CENTENÁRIO DO PAULO FREIRE” no YouTube

Toda a beleza e profundidade da educação na ótica do Mestre Paulo Freire…

Um Professor com P maiúsculo,com um currículo verdadeiro e que honra a profissão de docente.

Cem anos que valem a pena,não é Tia Rita?

Rita von Hunty em um extraordinário vídeo!

imagens da internet