Uso excessivo de bombinha de alívio para asma pode trazer prejuízo a saúde

A asma é uma doença heterogênea, crônica e flutuante. Não tem uma causa única. Pode passar por períodos de remissão e retornar sem aviso prévio. “Como acontece com a maioria das doenças crônicas, ela tem múltiplas causas, que incluem desde predisposição genética até fatores ambientais”, explica o médico alergista e pneumologista Álvaro Cruz, professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e membro do Conselho Diretor da Iniciativa Global pela Asma (Gina).

O caso de RF, paciente do doutor Cruz, confirma a dificuldade de estabelecer um diagnóstico. “Eu tinha 35 anos e não apresentava sintomas. Quando me dei conta, estava passando os dias sobre um sofá-cama, dependente de um nebulizador”, relata ele, que tem 64 anos e vive em Itaparica (BA).

Até que, em 2003, Freitas foi convidado a fazer parte do Programa de Controle da Asma e da Rinite Alérgica na Bahia (ProAR), um projeto de ensino, pesquisa e assistência que integra o Sistema Único de Saúde (SUS) e a Faculdade de Medicina da UFBA. Desde então, passou a controlar melhor a doença. “Recuperei minha vida”, ele conta. “Passei a receber medicamentos e informações.”

Os broncodilatadores promovem alívio dos sintomas, mas não tratam a doença

Uso excessivo de bombinha de alívio para asma pode trazer prejuízo a saúde

publicado originalmente em Veja saúde

4 respostas para “Uso excessivo de bombinha de alívio para asma pode trazer prejuízo a saúde”

✨🌻

%d blogueiros gostam disto: