Quem foi Anna Jarvis, a mulher por trás do Dia das Mães

Por Maria Clara Rossini

Ann Reeves Jarvis teve 13 filhos, mas só quatro chegaram à idade adulta. No século 19, não era incomum que crianças e adolescentes perdessem a vida para doenças como tuberculose.

Em 1858, ela passou a se envolver em grupos de trabalho da igreja para combater a mortalidade infantil na comunidade onde morava, em Grafton, no estado de Virgínia Ocidental. O intuito desses grupos era ensinar às mães sobre higiene básica e saneamento, como a importância de ferver a água antes de beber. Eles ainda forneciam remédios e tratamento para famílias que estivessem doentes.

Ann Reeves tinha o desejo de criar uma data para honrar o trabalho das mães para a sociedade – mas morreu antes disso, em 9 de maio de 1905.

Anna Jarvis, uma das filhas de Ann Reeves, decidiu realizar o sonho dela e lutar pela criação de um “Dia da Mãe”. A ideia era que ele fosse no domingo, para que os filhos pudessem visitar e passar o dia ao lado de suas progenitoras. A opção pelo segundo domingo de maio foi óbvia: dessa fora, a celebração sempre cairia próxima ao dia da morte de Ann.

O primeiro Dia da Mãe ocorreu em 1908, na igreja metodista de Grafton onde Ann atuava. Na ocasião, Anna distribuiu cravos brancos, flor favorita da mãe, para as pessoas que compareceram. O intuito era que os filhos e filhas usassem as flores nesse dia em homenagem às próprias mães.

A partir daí, Anna começou uma verdadeira campanha para disseminar a data, escrevendo cartas para políticos explicando os valores envolvidos na celebração. Em 1910, o Dia da Mãe virou feriado estadual de Virgínia Ocidental. Quatro anos depois, já tinha virado feriado nacional nos Estados Unidos.

Perceba que até agora usamos “Dia da Mãe” no singular. Por quê? Essa era a proposta inicial de Anna: a de que cada filho homenageasse sua mãe individualmente – o lema da data, inclusive, era “para a melhor mãe que já existiu: a sua mãe”.

Só que o feriado tomou rumos inesperados. Alguns dos responsáveis pelo sucesso do feriado foram a indústria de flores e doces, que viram uma oportunidade de lucrar com a data. O problema: Anna nunca imaginou que sua ideia se tornaria um dia comercial.

Ela queria criar um dia para honrar a própria mãe. Mas se arrependeu ao perceber que a celebração se tornaria uma data comercial.

Quem foi Anna Jarvis, a mulher por trás do Dia das Mães

publicado em superinteressante

9 respostas para “Quem foi Anna Jarvis, a mulher por trás do Dia das Mães”

✨🌻

%d blogueiros gostam disto: