Beleza…por Kafka✨

“Quem possui a faculdade de ver a beleza, não envelhece.”

Franz Kafka

imagens do WordPress

Beija-flor 🌸🌻🌼🌷

Como é lindo,cheio de graça

Pela manhã

Ou a tarde

Debaixo do caramanchão

Na beira da estrada

A visão de um beija-flor

Sempre é algo divino

Como pode um ser pequenino

Ser tão encantador, tão mágico?

Atire a primeira pedra

Quem nunca,nunca

Se viu fascinado com um beija- flor

Colibri, cuitelo, chupa-flor,

Pica-flor, chupa-mel, binga,

Guanambi, guinumbi, guainumbi,

Guanumbi e mainoĩ,

Chame como quiser,souber

Só não me digas que não são lindos

Mágicos e encantadores

Esses maravilhosos, grandes

Pequeninos amigos

Os beija-flores🌼🌻🌸🌷🌹

imagens do wordPress

Com carinho a todos os poetas…✨🌷

Não lembro quando aprendi a ler…foi muito cedo, com certeza… procurava pela casa livros,gibis e revistas feito uma ratinha.

Culpa do meu pai… que ao invés de me presentear com bonecas , muitas e muitas vezes deu-me livros ❤️

Não lembro quando aprendi a ler…mas lembro do primeiro poema que declamei na escola.

“Meus oito anos” de Casimiro de Abreu…

Quanta ternura em palavras,nunca me esqueci do poema,nunca deixei de ser “ratinha”…e agora já na maturidade busco também como Casimiro e todos os poetas, trazer um tiquinho de doçura ,verdade e beleza através da escrita.

✨✨ Meu respeito, carinho e gratidão a todos que disponibilizam um pouco do seu tempo para enfeitar e colorir com as letras esse nosso mundo💕❤️

Meus oito anos

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias
De despontar da existência!
– Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é – lago sereno,
O céu – um manto azulado,
O mundo – um sonho dourado,
A vida – um hino d’amor!

Que auroras, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d´estrelas,
A terra de aromas cheia,
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!

Oh! dias de minha infância!
Oh! meu céu de primavera!
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã!
Em vez das mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã!

Livre filho das montanhas,
Eu ia bem satisfeito,
Da camisa aberto o peito,
– Pés descalços, braços nus –
Correndo pelas campinas
À roda das cachoeiras,
Atrás das asas ligeiras
Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo,
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!

[…]

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
– Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Casimiro de Abreu

Paz e Luz ✨✨