Calor extremo deforma trilhos de trem e rodovias na Europa

Na última terça-feira (19), pelo menos 21 países europeus emitiram alertas de calor extremo. O Reino Unido, por exemplo, alcançou a temperatura recorde de 43 °C. As ondas de calor impulsionadas pelas mudanças climáticas vêm causando transtornos no continente europeu nas últimas duas semanas, comprometendo inclusive a infraestrutura de muitos locais.

Locomoção

Em Londres, por exemplo, os trilhos se expandiram e dobraram. A Network Rail Limited, empresa responsável pela rede ferroviária de lá, explicou em comunicado que as temperaturas correntes são maiores do que algumas das pistas foram projetadas para suportar (em torno de 27 °C).

O problema é a dilatação térmica: o calor faz as moléculas se moverem mais rapidamente e ocuparem um espaço maior, o que aumenta o tamanho do material. A expansão é vista especialmente em metais, como os que guiam os trens. 

Ferrovias, rodovias e aeroportos são prejudicados pelas mudanças climáticas. O calor extremo também trouxe problemas para a agricultura e produção de energia. Confira.

Calor extremo deforma trilhos de trem e rodovias na Europa

publicado em superinteressante

Pesquisa: faltam dados nos países pobres, e impactos das mudanças climáticas estão subestimados

A ciência da atribuição está ampliando o conhecimento sobre os impactos das mudanças climáticas induzidas pelo homem, mas ainda há grandes lacunas sobre a extensão dos danos causados. É o que adverte um novo estudo, divulgado nesta terça-feira (18) na estreia de um novo periódico científico: Environmental Research: Climate, editado pela IOP Publishing. Pesquisadores da Universidade de […]

Pesquisa: faltam dados nos países pobres, e impactos das mudanças climáticas estão subestimados

publicado em blog do pedlowski

Em três décadas, geleira mais alta do Everest perdeu 2 mil anos de gelo

O derretimento de geleiras é uma consequência bem conhecida das mudanças climáticas e está acontecendo mais rápido do que nunca. O fenômeno é observado de perto por cientistas, mas, devido às altas altitudes, geleiras de montanhas costumam ser menos estudadas .

Em 2019, uma expedição investiu nessa frente. Uma equipe internacional de cientistas viajou até a South Col Glacier (SCG), a geleira mais alta do Monte Everest, para conferir se o derretimento de gelo também estava acontecendo por lá, a 7 mil metros de altura.

O estudo, publicado na última quinta (3) na revista Climate and Atmospheric Research, é considerado o mais completo já realizado no sul da montanha. Ele descobriu que a SCG perdeu gelo que levou cerca de 2 mil anos para se formar e, no ritmo de derretimento atual, pode desaparecer completamente daqui trinta anos.

Os cientistas criaram mapas de alta resolução, estudaram a história das geleiras, instalaram cinco estações meteorológicas por lá e coletaram amostras. A equipe até adaptou um equipamento de perfuração para carregá-lo montanha acima e extrair um cilindro de gelo de 10 metros da SCG.

Mudanças climáticas causaram o derretimento de 55 metros de gelo – e podem levar ao desaparecimento da geleira daqui trinta anos.

Em três décadas, geleira mais alta do Everest perdeu 2 mil anos de gelo

publicado originalmente em superinteressante

A febre do planeta

Um político de terno e gravata discursando na abertura de uma das maiores conferências mundiais de 2021. Nada de anormal, até que o plano da câmera se abre, revelando que as pernas dele estão debaixo d’água.

A fala é gravada e transmitida de uma parte de seu país que já foi engolida pelo mar. “Estamos literalmente afundando, mas o resto do mundo também está”, declarou Simon Kofe, ministro de Tuvalu, arquipélago da Oceania com 12 mil habitantes, na abertura da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26).

Além dos moradores dessa pequena nação, estima-se que mais de 250 milhões de pessoas terão que deixar sua casa nas próximas décadas por causa do aquecimento global. Ele tornará alguns lugares mais áridos, outros mais úmidos e alguns serão submersos de vez.

Os cidadãos de Tuvalu e outras regiões litorâneas representam a faceta mais visível do risco, mas nem de longe são os únicos sofrendo com as consequências das mudanças climáticas. Mudanças que são resultado do modelo vigente de produção e consumo e do nosso estilo de vida, que drenam quase o dobro dos recursos que a Terra é capaz de fornecer ao ano.

De brasileiros a siberianos, passando por americanos e australianos, todos, independentemente da classe econômica, já estamos com a saúde em perigo em função dos danos ao meio ambiente e das reações da natureza a esse processo.

desigualdade social aumenta o impacto das ondas de calor, tempestades e outras catástrofes, mas, desta vez, a corda não vai arrebentar só do lado mais fraco. Basta ver as mansões pegando fogo na Califórnia e as enchentes na Alemanha. Todos somos responsáveis pelo problema, vítimas dele e, ao mesmo tempo, parte da solução.

As mudanças climáticas são a maior ameaça à saúde da humanidade e ao mundo em que vivemos, mas muito pouco tem sido feito para detê-las

A febre do planeta

publicado originalmente em Veja saúde

Com mudanças climáticas, tubarões se afastam de áreas de proteção no Atlântico

O ano de 2021 marcou um novo recorde: pelo sexto ano consecutivo, as temperaturas dos oceanos aumentaram. Esse fenômeno é um dos protagonistas quando se fala em mudanças climáticas e tem uma porção de consequências preocupantes. Uma das principais é o aumento do nível dos oceanos, que acontece a partir da expansão térmica: à medida que as águas absorvem calor, elas aumentam de volume.

O aquecimento também pode levar ao derretimento mais acelerado das geleiras e a mudanças nos padrões de ventos e chuvas ao redor do planeta (que podem intensificar furacões e tufões), além de dificultar a absorção de carbono da atmosfera pelos oceanos.

Mas não para por aí. As mudanças de temperatura podem alterar diretamente o comportamento de espécies marinhas e, assim, bagunçar ecossistemas ao redor do mundo. Um exemplo recém-descoberto é o caso dos tubarões-tigre (Galeocerdo cuvier) no Oceano Atlântico – próximo à costa nordeste dos Estados Unidos.

Uma equipe de pesquisadores combinou quase dez anos de dados de satélites com 40 anos de dados de rastreamento desses animais. Assim, descobriu que as mudanças de temperatura das águas provocam mudanças nos padrões migratórios da espécie. As descobertas foram publicadas na última quinta-feira (13), no periódico científico Global Change Biology.

Para realizar o estudo, os cientistas capturaram 47 tubarões entre a Flórida (nos Estados Unidos) e o norte de Bahamas, para equipá-los com dispositivos de rastreamento por satélite e monitorar as migrações dos animais – algo que rolou entre 2010 e 2019.

Pesquisadores combinaram dados de satélites com dados de rastreamento dos tubarões e descobriram que o aquecimento das águas provoca mudanças em padrões migratórios.

Com mudanças climáticas, tubarões se afastam de áreas de proteção no Atlântico

publicado originalmente em superinteressante

Planeta ainda pode esquentar 2,4ºC até o final do século, indica análise

A julgar apenas pelas metas de curto prazo de corte de emissões apresentadas pelos países durante a COP26 (Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, em Glasgow), o mundo deve enfrentar um aumento médio de 2,4° C na temperatura global até o final do século. Esse aquecimento está bem além daquele requerido para conter mudanças climáticas perigosas – e promete trazer impactos globais devastadores.

O cenário sombrio foi trazido por um novo relatório divulgado nesta terça (9), de autoria da organização Climate Action Tracker (CAT), a mais respeitada coalizão de análise climática do mundo. O trabalho mostra como as propostas concretas trazidas pelos países até o momento estão aquém do necessário para conter a crise climática.

O resultado faz contraste com uma pesquisa realizada pela Universidade de Melbourne, na semana passada. Ela mostrou que, pela primeira vez, as trajetórias de aquecimento global caíam para menos de 2° C em comparação aos níveis pré-industriais, com base nas promessas de cortes de emissões ao longo do século 21 apresentadas pelos países na COP26.

Trata-se de um dos dois “números mágicos”, em termos de objetivos, estipulados no Acordo de Paris. É consenso entre os climatologistas que a contenção até 1,5° C é o ideal, para evitar transformações irreversíveis. Cruzado esse limiar, os 2° C passam a ser a divisa a partir da qual podem-se esperar efeitos catastróficos em decorrência das mudanças do clima.

As ações de curto prazo apresentadas pelos países na COP26 não são suficientes para cumprir o Acordo de Paris. A conclusão do novo estudo contrasta com o que foi divulgado no início da Convenção da ONU.

Planeta ainda pode esquentar 2,4ºC até o final do século, indica análise

publicado originalmente em superinteressante

Rascunho do documento final da COP26 propõe meta anual para reduzir emissões

A COP26, conferência do clima das Nações Unidas que acontece em Glasgow, na Escócia, chega a seus dias decisivos com a divulgação do primeiro rascunho de um documento final, que deve sumarizar os acordos entre os países. A declaração pede uma revisão anual das ações de cada país contra a emergência climática, além do fim gradual do uso do carvão e dos subsídios para combustíveis fósseis.

As medidas seriam um caminho para tentar sanar a lacuna que existe hoje entre os compromissos de longo prazo das nações do mundo – mirando datas como 2030 e 2050 – e o que está sendo efetivamente feito de ano a ano.

A raiz do problema é como manter um aumento da temperatura média do planeta (em relação aos níveis anteriores à Revolução Industrial) em até 2 ºC – e, se possível, impedir que esse aumento ultrapasse 1,5ºC, considerado o limite mais seguro para evitar mudanças perigosas no clima da Terra.

Hoje (10) foi apresentada a primeira versão do documento que sumariza a Convenção de Mudanças Climáticas da ONU. O texto ainda pede o fim gradual dos combustíveis fósseis

Rascunho do documento final da COP26 propõe meta anual para reduzir emissões

publicado originalmente em superinteressante

COP26: Evento alternativo exerce pressão sobre países em Glasgow

Ao final da primeira semana da COP26, a Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, a realidade vai se assentando de que os compromissos climáticos (salvo algumas boas promessas) por ora ainda deixam a desejar, com  poucas soluções práticas e imediatas.

Em meio a isso, começou neste domingo (7) em Glasgow, onde ocorre a COP26, um encontro climático alternativo, que propõe trazer soluções e propostas negligenciadas entre as delegações internacionais.

O Encontro das Pessoas por Justiça Climática (People’s Summit for Climate Justice) é organizado pela Coalizão COP26, também responsável pelos protestos realizados globalmente no sábado. “Estamos criando um ‘movimento de movimentos’ para aprofundar e remoldar a compreensão da crise climática no norte global através de uma lente de justiça climática”, disse Asad Rehman, cofundador da coalizão e diretor da ONG War on Want.

O Encontro das Pessoas tem uma programação que vai até o dia 10, com eventos online e presenciais (realizados em Glasgow), e qualquer um pode se registrar para acompanhar . O objetivo é trazer vozes e ideias que os organizadores julgam estar ausentes da COP26: a discussão de um novo pacto verde global, o chamado “green new deal”; a responsabilização dos poluidores; a exploração do conhecimento ecológico indígena e o contraste entre a chamada neutralidade de carbono (que envolve promover ações para compensar o que se emite) e o real carbono zero (com o fim das emissões).

O Encontro das Pessoas por Justiça Climática apresenta propostas e soluções negligenciadas pelas delegações internacionais. Entenda.

COP26: Evento alternativo exerce pressão sobre países em Glasgow

publicado originalmente em superinteressante

%d blogueiros gostam disto: