Velhos, sim… Doentes, não! A nova cara e os desafios da velhice

príncipe Philip do Reino Unido, de 99 anos, morreu na manhã de 9 de abril de 2021. O Palácio de Buckingham não entrou em detalhes sobre a causa de sua morte. Disse apenas que ele “faleceu pacificamente” no Castelo de Windsor, uma das residências oficiais da família real.

Dois meses antes, o marido da rainha Elizabeth II tinha passado mal e precisou ser internado. No dia 1º de março, foi submetido a uma cirurgia no coração. Ficou hospitalizado quase um mês. Na hora de preencher seu atestado de óbito, o médico da realeza declarou que ele morreu de… “idade avançada”.

Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu incluir a velhice na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID) no dia 28 de maio de 2019, durante a 72ª Assembleia Mundial de Saúde. O encontro aconteceu em Genebra, na Suíça, e reuniu representantes de 194 países, incluindo o Brasil.

Ficou acertado que o código R54, até então empregado para casos de senilidade, seria substituído pelo novíssimo MG2A, usado para pacientes que, a exemplo do príncipe britânico, morreram em idade avançada.

O motivo da troca, explica Bernardino Vitoy, especialista em saúde familiar e comunitária da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), teria sido a “conotação negativa” da palavra senilidade.

A mudança, que passaria a valer dia 1º de janeiro de 2022 com prazo de três anos para ser devidamente implementada, desagradou especialistas de diversos campos.

O médico gerontólogo Alexandre Kalache, ex-diretor do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida da OMS, classifica a decisão de “aberração” e “retrocesso”.

Decisão da OMS de incluir a velhice na sua lista oficial de doenças — que acaba de ser revertida — suscita debates sobre os novos significados dessa fase

Velhos, sim… Doentes, não! A nova cara e os desafios da velhice

publicado originalmente em Veja saúde

Estudo mostra benefícios da equoterapia para idosos

Reunir uma dentista, cavalos e um grupo de pessoas acima de 60 anos parece não fazer tanto sentido num primeiro momento. Mas tudo fica mais claro e interessante quando se conhece o estudo feito por Ednéia de Mello, doutoranda em odontologia na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, junto à Associação de Equoterapia Vassoural (AEV).

Dezesseis voluntários de até 79 anos foram convidados a realizar sessões sobre o cavalo — sempre com instrutores ao lado — duas vezes por semana durante três meses. A ideia era avaliar o impacto da equoterapia na capacidade funcional e no sistema estomatognático.

“Esse sistema desempenha funções como mastigação, sucção, deglutição fonoarticulação e respiração, e seu desequilíbrio pode envolver outras cadeias musculares, afetando até a postura”, explica Ednéia.

Pesquisa brasileira constata efeitos positivos na mobilidade, no equilíbrio postural e até na mastigação

Estudo mostra benefícios da equoterapia para idosos

publicado originalmente em Veja saúde

Startup nacional desenvolve tecnologia antiquedas

A brasileira Techbalance criou uma nova forma de estimar com precisão a propensão a quedas de um idoso. “A ideia é medir e tratar o problema antes para não lidar com as consequências depois”, resume Fabiana Almeida, CEO da empresa.

Funciona assim: um celular com o aplicativo criado pela healthtech é preso na cintura da pessoa e, conforme os movimentos dela, seus sensores detectam como andam o equilíbrio postural e a capacidade de se mexer com segurança. As informações geram um relatório que mostra o nível de risco de queda, onde estão os problemas e como podem ser resolvidos.

Inovação calcula risco de tombos e já é usada por plano de saúde

Startup nacional desenvolve tecnologia antiquedas

publicado originalmente em Veja saúde

Idosos que mantém cérebro ativo podem adiar em cinco anos o Alzheimer

Atividades simples e cotidianas como ler, escrever, jogar cartas ou montar quebra-cabeças podem atrasar em cinco anos o princípio da doença de Alzheimer. E o mais surpreendente: os benefícios são visíveis mesmo quando tais hábitos são iniciados aos 80 anos. É o que revelou um estudo publicado na Neurology, periódico da Academia Americana de Neurologia.

Os pesquisadores concluíram que o atraso da demência é resultado de atividades de estimulação cognitiva em idades mais avançadas, e não no início da vida. Isso após acompanhar 1 978 pessoas com idade média de 80 anos e que não apresentavam a doença no início do estudo.

Leitura e jogos estão entre as atividades que podem atrasar as manifestações clínicas da demência

Idosos que mantém cérebro ativo podem adiar em cinco anos o Alzheimer

publicado originalmente em Veja saúde

Quem se sente jovem tende realmente a viver mais e melhor

Tem gente que não se vê na idade que tem. E, se a sua percepção é a de ostentar anos a menos que o apontado pela data de nascimento, é provável que seu organismo esteja mais vigoroso e protegido. É o que dá para concluir de uma pesquisa do Centro Alemão de Gerontologia com 5 309 pessoas acima de 40 anos.

O que soa a frase de livro de autoajuda tem respaldo científico, segundo novo estudo feito na Alemanha

Quem se sente jovem tende realmente a viver mais e melhor

publicado originalmente em Veja

%d blogueiros gostam disto: