Startup nacional desenvolve tecnologia antiquedas

A brasileira Techbalance criou uma nova forma de estimar com precisão a propensão a quedas de um idoso. “A ideia é medir e tratar o problema antes para não lidar com as consequências depois”, resume Fabiana Almeida, CEO da empresa.

Funciona assim: um celular com o aplicativo criado pela healthtech é preso na cintura da pessoa e, conforme os movimentos dela, seus sensores detectam como andam o equilíbrio postural e a capacidade de se mexer com segurança. As informações geram um relatório que mostra o nível de risco de queda, onde estão os problemas e como podem ser resolvidos.

Inovação calcula risco de tombos e já é usada por plano de saúde

Startup nacional desenvolve tecnologia antiquedas

publicado originalmente em Veja saúde

Idosos que mantém cérebro ativo podem adiar em cinco anos o Alzheimer

Atividades simples e cotidianas como ler, escrever, jogar cartas ou montar quebra-cabeças podem atrasar em cinco anos o princípio da doença de Alzheimer. E o mais surpreendente: os benefícios são visíveis mesmo quando tais hábitos são iniciados aos 80 anos. É o que revelou um estudo publicado na Neurology, periódico da Academia Americana de Neurologia.

Os pesquisadores concluíram que o atraso da demência é resultado de atividades de estimulação cognitiva em idades mais avançadas, e não no início da vida. Isso após acompanhar 1 978 pessoas com idade média de 80 anos e que não apresentavam a doença no início do estudo.

Leitura e jogos estão entre as atividades que podem atrasar as manifestações clínicas da demência

Idosos que mantém cérebro ativo podem adiar em cinco anos o Alzheimer

publicado originalmente em Veja saúde

Quem se sente jovem tende realmente a viver mais e melhor

Tem gente que não se vê na idade que tem. E, se a sua percepção é a de ostentar anos a menos que o apontado pela data de nascimento, é provável que seu organismo esteja mais vigoroso e protegido. É o que dá para concluir de uma pesquisa do Centro Alemão de Gerontologia com 5 309 pessoas acima de 40 anos.

O que soa a frase de livro de autoajuda tem respaldo científico, segundo novo estudo feito na Alemanha

Quem se sente jovem tende realmente a viver mais e melhor

publicado originalmente em Veja