Brasil mil grau: o que o IPCC diz sobre o futuro do país no aquecimento global?

O efeito estufa é, em sua essência, um fenômeno simples. A luz do Sol alcança a Terra e aquece a superfície do planeta – que passa a emitir radiação infravermelha, vulgo calor. Parte desse calor escapa de volta para o espaço sideral; parte fica retida debaixo de um grande cobertor de gás chamado atmosfera. Vale dizer: é ótimo que isso aconteça. A temperatura média da Terra, hoje, é de 14 °C. Sem efeito estufa, seriam – 18 °C. O frio tornaria o planeta inóspito para a vida como a conhecemos. 

O problema é que a poluição está transformando esse cobertor em um grosso edredom. Ao longo do século 20, alguns gases emitidos em doses cavalares pela queima de combustíveis fósseis e outras fontes antrópicas – como o dióxido de carbono (CO2) e o metano que sai nos arrotos e puns do gado (CH4) – transformaram a atmosfera num porteiro do Enem de radiação infravermelha. Hoje, a Terra retém muito mais calor do que é saudável ou necessário. Os dez anos mais quentes registrados desde 1880 ocorreram após 2005. 

Agronegócio ameaçado, hidrelétricas com sede, mosquitos aos montes e secas na Amazônia: tudo isso já é realidade. Entenda como as mudanças climáticas afetam o Brasil.

Brasil mil grau: o que o IPCC diz sobre o futuro do país no aquecimento global?

publicado originalmente em superinteressante

O que a neve no sul do Brasil tem a ver com o aquecimento global?

Na última semana, uma massa de ar frio atingiu a região Sul do Brasil – e avançou de modo que algumas quedas bruscas de temperatura foram previstas também para regiões do Norte e Nordeste do país. O frio intenso trouxe neve para diversas cidades do sul brasileiro – em Santa Catarina, por exemplo, nevou em mais de dez cidades na última quarta-feira (28). 

Eventos de frio fora do comum costumam levantar uma questão entre os desavisados: “Se estamos passando pelo aquecimento global, por que o frio?”. Mas não se engane: o aquecimento global não se resume, necessariamente, apenas ao aumento de temperatura ao redor do planeta.

Ondas de frio intenso fazem algumas pessoas se questionarem sobre a existência do fenômeno. Mas não se engane: ele não se resume a temperaturas mais altas.

O que a neve no sul do Brasil tem a ver com o aquecimento global?

publicado originalmente em superinteressante

Temperaturas anormais levam a 5 milhões de mortes por ano, indica estudo

Temperaturas anormais relacionadas às mudanças climáticas podem ser a causa de mais de 5 milhões de mortes por ano em todo o mundo, segundo estudo liderado pela Universidade Monash, na Austrália, e publicado na revista The Lancet Planetary Health.

A equipe internacional de pesquisadores analisou dados de 2000 a 2019 – um período em que as temperaturas globais aumentaram 0,26 °C por década – e constatou que as mortes por temperaturas elevadas aumentaram em todas as regiões estudadas. Não só as temperaturas quentes levaram às mortes: o frio fora do comum também se mostrou fatal.

Pesquisadores analisaram dados de 750 locais ao redor do mundo referentes ao período de 2000 a 2019 para medir o impacto das variações climáticas nas taxas de mortalidade.

Temperaturas anormais levam a 5 milhões de mortes por ano, indica estudo

publicado originalmente em superinteressante

Aquecimento global e miopia: estudo alerta para perda de biodiversidade em hotspots e suas consequências negativas

Os leopardos da neve vivem nas altas montanhas – aqui no Pamir. Quando fica mais quente, eles geralmente não conseguem se mover mais alto. Foto: dpa / Igor Kovalenko / epa

Os botos-vaquita no Golfo da Califórnia, os lêmures em Madagascar, os elefantes da floresta na África Central e os leopardos das neves no Himalaia, todos […]

Aquecimento global e miopia: estudo alerta para perda de biodiversidade em hotspots e suas consequências negativas

publicado originalmente em blog do pedlowski