Assista a “CARÊNCIA AFETIVA: Reflexões Filosóficas” no YouTube

No fundo, somos todos carentes de atenção e afeto…

Professora Lúcia Helena Galvão nos ensinando a lidar com isto.

Nova Acrópole aqui!

imagens do Pinterest

Aventura…por Mágica Mistura

“Nessa vida temos momentos de dúvida, de luta, e de choro . Também provamos a alegria, a comédia, a partilha e o amor… Toda essa miscelânea faz parte de nossa fantástica aventura neste planeta…observe, prove, saboreie. Depois daqui o Universo será nosso lar novamente… incremente sua bagagem!”

Mágica Mistura

imagens do Pinterest

Alimentos à base de plantas ganham espaço no prato dos brasileiros

A busca por uma alimentação mais saudável e pela diminuição dos impactos ambientais causados pelo consumo tem se mostrado em números. De acordo com o relatório Vida Saudável e Sustentável, realizado pelo Instituto Akatu e GlobeScan em 2020, 68% dos brasileiros pesquisaram sobre uma dieta mais sustentável. Esse comportamento, muito impulsionado também pela pandemia do coronavírus e preocupação com a saúde, elevou a popularidade dos alimentos feitos à base de plantas.

Atualmente, o Brasil registra mais de 30 milhões de pessoas que se identificam como vegetarianas – número duas vezes maior quando comparado ao de 2012. O perfil alimentar daqueles conhecidos como “flexitarianos” ou “reducetarianos”, ou seja, que estão reduzindo o consumo de carnes e dando prioridade a alimentos à base de vegetais, também cresceu significativamente e hoje representa 30% da população brasileira. Uma pesquisa do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), realizada em 2021, mostrou que 46% dos brasileiros já deixam de comer carne, por vontade própria, pelo menos uma vez na semana.

Os motivos são vários. “Uma dieta à base de vegetais está relacionada com riscos reduzidos de diversas doenças, como cardiovasculares, diabetes do tipo 2, hipertensão, alguns tipos de câncer e obesidade”, explica Bruna Nascimento, nutricionista e especialista sênior em políticas alimentares no programa Alimentação Consciente Brasil.

Dieta 100% vegetal tem crescido mundialmente e os benefícios vão da saúde a um planeta mais sustentável

Alimentos à base de plantas ganham espaço no prato dos brasileiros

publicado originalmente em Veja saúde

Brasileiros e portugueses descobrem mutação ligada à leucemia aguda grave

Cientistas brasileiros e portugueses descobriram que um tipo agressivo de leucemia linfoide aguda (LLA), câncer mais comum em crianças, é provocado em parte por uma mutação no gene que produz uma proteína ligada à imunidade (IL-7R). “A partir de um modelo animal desenvolvido no Brasil, observamos que a ativação contínua da função da proteína IL-7R, mesmo que em níveis fisiológicos, desencadeia a proliferação exagerada de leucócitos (glóbulos brancos) da família dos linfócitos, originando a leucemia aguda grave”, diz José Andrés Yunes, pesquisador do Centro Infantil Boldrini e autor do estudo publicado nesta terça-feira 14, na revista Nature. “O achado é importante, pois tendo um maior entendimento no nível molecular da doença e suas causas genéticas, é possível propor novos tratamentos, principalmente para os casos de recidiva ou em que o tratamento convencional não funciona”, acrescenta.

Realizado por pesquisadores do Centro Infantil Boldrini (Brasil) e do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM), de Portugal – com auxílio de pesquisa concedido pela Fundação de Amparo à Pesquisa em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de Portugal – a pesquisa mostra que a mutação no gene que codifica a proteína pode ainda estimular novas alterações em outros genes, fazendo com que a leucemia avance. “A mutação da IL-7R não é suficiente para originar a leucemia. Existem outros genes que também estão envolvidos na doença. Para que a leucemia ocorra são necessárias outras mutações, que colaborem com a IL-7R para interromper o programa de diferenciação celular e fazer com que as células continuem proliferando de maneira exagerada e sobrevivendo”, esclarece o pesquisador.

Publicados na edição da revista científica Nature, os achados ajudarão a formular novas terapias para um dos tipos mais agressivos da doença

Brasileiros e portugueses descobrem mutação ligada à leucemia aguda grave

publicado originalmente em Veja

Pode faltar energia solar no Brasil? Crise global de suprimentos é ameaça

O Brasil passou pelo seu pior período de chuvas em 2021, levando o país a enfrentar a crise hídrica mais intensa em nove décadas. A diminuição do nível dos reservatórios das hidrelétricas, que corresponde por 70% da matriz energética brasileira, impactou o setor de geração de energia. Em meio à escassez da oferta e ao encarecimento do serviço, vem crescendo a procura por energia solar, mas esse sistema também está em perigo. Empresas do setor alertam que a crise global de suprimentos já chegou aos equipamentos usados para a geração de energia solar. Se as cadeias de produção não voltarem ao equilíbrio no próximo ano, tudo indica que pode causar até a faltar dessa fonte de energia. Os projetos em andamento não serão concluídos e novos não poderão sequer ser iniciados.

As fabricantes desses equipamentos enfrentam um desabastecimento de painéis fotovoltaicos. O mercado brasileiro é atendido majoritariamente pela China — tanto pela indústria local, quanto pelas empresas europeias e americanas de painéis que estão baseadas no país asiático, aproveitando um momento em que os chineses passaram a assumir um forte comprometimento com as questões ambientais, reduzindo a produção de suas fábricas abastecidas a carvão. Como consequência, os principais fabricantes do país têm retido grande parte da produção de painéis para o mercado interno para auxiliar a transição energética que acontece por lá.

O problema adiciona mais um sobrecarga sobre os desequilíbrios na oferta e demanda causados pela pandemia, que vem gerando imensos gargalos na produção e na logística, com portos abarrotados e aumento de 30 a 40 dias para o transporte da mercadoria. O cenário tem gerado desabastecimento em diversos setores, inclusive na indústria de energia solar. “Um dos pontos chaves de sucesso desse mercado é ter a cadeia de suprimentos bem estruturada e planejada, mas atualmente a dificuldade é ter isso sob controle”, diz Alexandre Sathler, gestor de planejamento estratégico e inteligência de mercado da Cordeiro Soluções em Energia.

Adicionado a isso, a indústria também tem enfrentado outro desafio: a escassez do silício, principal matéria-prima para a fabricação dos painéis, que já fez aumentar em 20% o preço da energia solar.  “O mercado passa por vários desafios, que estão na oferta”, diz Sathler.

Indústria está à beira de um colapso com desequilíbrios na oferta, aliados à alta demanda requerida pela transição energética

Pode faltar energia solar no Brasil? Crise global de suprimentos é ameaça

publicado originalmente em Veja

Peixes “cantam” em recifes de coral restaurados e surpreendem cientistas

Peixes podem ser mais barulhentos do que você imagina – e recentemente foram flagrados produzindo sons nunca registrados antes. E o que as bizarras canções aquáticas significam? “Recife saudável”.

Eles foram gravados para um estudo liderado por pesquisadores das universidades de Bristol e Exeter, na Inglaterra, que pretendiam analisar a paisagem sonora de recifes de coral da Indonésia em processo de restauração – e compará-los a recifes conservados ou degradados.

A paisagem sonora de um recife é um indicador importante de seu estado ecológico. Os sons produzidos pelos animais dos recifes funcionam como pistas para atrair outros bichos ao ecossistema.

Os sons, que você pode ouvir no vídeo abaixo, são variados. Alguns são semelhantes a grunhidos, outros estalos ou assobios. Por enquanto, muitos são misteriosos para os próprios pesquisadores. 

“Alguns dos sons que gravamos são realmente bizarros. Nós ainda temos muito a aprender sobre o que eles significam e sobre quais animais os produzem”, afirma Steve Simpson, um dos autores do estudo, em comunicado. “Mas, por enquanto, é incrível ser capaz de escutar um ecossistema voltar à vida.”

O recife estudado, localizado no arquipélago de Spermonde, havia sido devastado pela pesca explosiva. A prática, considerada crime ambiental no Brasil, consiste em atordoar ou matar os animais de uma determinada área usando explosivos. 

Gravações na Indonésia mostram sucesso de projeto de recuperação ambiental; ouça os sons emitidos pelos animais

Peixes “cantam” em recifes de coral restaurados e surpreendem cientistas

publicado originalmente em superinteressante

%d blogueiros gostam disto: