«Os garimpeiros estão destruindo os nossos rios, nossa floresta e nossas crianças. Nosso ar não é mais puro, nossas caças desapareçam e nosso povo chora e clama por água limpa. Queremos viver, queremos nossa paz de volta e nosso Território.»

Criança Yanomami brincando no rio foto: Barbara Crane Navarro

«Meus avós pescavam neste rio para alimentar a comunidade. Agora é tudo contaminação por lodo, gasolina, diesel e mercúrio. Os peixes estão morrendo e nossa terra Yanomami está morrendo. Nós Yanomami estamos sofrendo, não temos paz. Os garimpeiros destroem nossas casas (Yanopë), destroem nossa floresta (Urihi), destroem […]

«Os garimpeiros estão destruindo os nossos rios, nossa floresta e nossas crianças. Nosso ar não é mais puro, nossas caças desapareçam e nosso povo chora e clama por água limpa. Queremos viver, queremos nossa paz de volta e nosso Território.»

publicado em Bárbara Crane Navarro

Mineração em terras indígenas não resolve problema dos fertilizantes, diz Coalizão Brasil —

A integridade ambiental das terras indígenas, áreas cruciais para a estabilidade climática do país, está em risco caso a Câmara dos Deputados aprove, sem discussões mais aprofundadas e melhoras substanciais, o Projeto de Lei (PL) 191/2020, que permite a lavra de recursos minerais e o aproveitamento de energia elétrica naqueles territórios. A avaliação é da Coalizão […] […]

Mineração em terras indígenas não resolve problema dos fertilizantes, diz Coalizão Brasil —

publicado em Bárbara Crane Navarro

Com general, com Congresso, com tudo: Brasil esquece a COP26 e abre a porteira ao garimpo na Amazônia — Antropofagista

El País – General Heleno autoriza projeto para explorar ouro na região mais protegida da floresta, enquanto o vice-presidente Mourão, do Conselho da Amazônia Legal, assiste aos piores índices em 15 anos. “O Governo levou um Brasil que não existe à COP26”, critica Greenpeace. “Inaceitáveis”, definiu o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, ao comentar… Com […]

Com general, com Congresso, com tudo: Brasil esquece a COP26 e abre a porteira ao garimpo na Amazônia — Antropofagista

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro

Peixes “cantam” em recifes de coral restaurados e surpreendem cientistas

Peixes podem ser mais barulhentos do que você imagina – e recentemente foram flagrados produzindo sons nunca registrados antes. E o que as bizarras canções aquáticas significam? “Recife saudável”.

Eles foram gravados para um estudo liderado por pesquisadores das universidades de Bristol e Exeter, na Inglaterra, que pretendiam analisar a paisagem sonora de recifes de coral da Indonésia em processo de restauração – e compará-los a recifes conservados ou degradados.

A paisagem sonora de um recife é um indicador importante de seu estado ecológico. Os sons produzidos pelos animais dos recifes funcionam como pistas para atrair outros bichos ao ecossistema.

Os sons, que você pode ouvir no vídeo abaixo, são variados. Alguns são semelhantes a grunhidos, outros estalos ou assobios. Por enquanto, muitos são misteriosos para os próprios pesquisadores. 

“Alguns dos sons que gravamos são realmente bizarros. Nós ainda temos muito a aprender sobre o que eles significam e sobre quais animais os produzem”, afirma Steve Simpson, um dos autores do estudo, em comunicado. “Mas, por enquanto, é incrível ser capaz de escutar um ecossistema voltar à vida.”

O recife estudado, localizado no arquipélago de Spermonde, havia sido devastado pela pesca explosiva. A prática, considerada crime ambiental no Brasil, consiste em atordoar ou matar os animais de uma determinada área usando explosivos. 

Gravações na Indonésia mostram sucesso de projeto de recuperação ambiental; ouça os sons emitidos pelos animais

Peixes “cantam” em recifes de coral restaurados e surpreendem cientistas

publicado originalmente em superinteressante

Chega de “selva”: Para proteger a biodiversidade, os povos indígenas e o uso tradicional da natureza são necessários —

Foto: dpa | Dean Lewins Por Norbert Suchanek para o “Neues Deutschland” Proteja a natureza! « Dificilmente existe um termo tão frequentemente usado em conexão com a natureza e a biodiversidade e ao mesmo tempo que é tão enganador como »natureza selvagem«. Apesar de numerosos estudos científicos que apontam para a influência e conhecimento dos povos indígenas, […]

Chega de “selva”: Para proteger a biodiversidade, os povos indígenas e o uso tradicional da natureza são necessários —

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro

O mundo perdeu 14% de seus recifes de coral na última década, aponta relatório

Os recifes de coral são grandes centros de biodiversidade: embora estejam presentes em só 0,2% do solo oceânico, eles abrigam pelo menos um quarto de todas as espécies marinhas. Além disso, são responsáveis por um punhado de “serviços ecossistêmicos” (como fornecer alimento e proteção costeira) e por injetar US$ 36 bilhões todos os anos na economia global, devido ao turismo e outras atividades relacionadas a eles.

Em suma: os corais são importantes. Mas estão sob ameaça. Entre 2009 e 2018, o mundo perdeu cerca de 14% de seus recifes de coral. A conclusão vem de um grande relatório internacional, produzido pela Rede Global de Monitoramento de Recifes de Coral (GCRMN, na sigla em inglês) e publicado na última terça-feira (5).

O estudo é considerado a análise mais detalhada até o momento sobre o estado dos recifes de coral no mundo. Os cientistas apontam que, desde 2009, existe um declínio constante desses seres vivos (sim, corais são animais) em escala global – e a culpa é principalmente das mudanças climáticas, que aumentam a temperatura nas águas dos mares.

O relatório foi produzido a partir de dados coletados ao longo de 40 anos por mais de 300 cientistas, em 73 países. 1,2 mil lugares foram observados em dez grandes regiões portadoras de recifes de coral – incluindo o Brasil.

Eles abrigam um quarto de todas as espécies marinhas, mas estão levando a pior em função do aquecimento dos oceanos. Veja o que pesquisadores têm a dizer sobre as possibilidades de recuperação.

O mundo perdeu 14% de seus recifes de coral na última década, aponta relatório

publicado originalmente em superinteressante

Funai prorroga por 6 meses proteção legal da terra dos piripkura, indígenas isolados em MT — Ecoamazônia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

– Pakyî e Tamandua, os dois únicos habitantes conhecidos que vivem na terra indígena Piripkura, tiveram um respiro. A portaria de restrição de uso da terra em Mato Grosso, na qual eles vivem isolados, venceria neste sábado (18), e o temor era de que a Funai (Fundação Nacional do Índio) não… Funai […]

Funai prorroga por 6 meses proteção legal da terra dos piripkura, indígenas isolados em MT — Ecoamazônia

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro

%d blogueiros gostam disto: