Assista a “Maria Bethânia – Eu Não Existo Sem Você” no YouTube

Eu não existo sem você ❤️

Eu sei e você sabe
Já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo
Levará você de mim

Eu sei e você sabe
Que a distância não existe
Que todo grande amor
Só é bem grande se for triste

Por isso, meu amor
Não tenha medo de sofrer
Que todos os caminhos
Me encaminham prá voce

Assim como o oceano
Só e belo com o luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar

Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer

Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você

Não há você sem mim
E eu não existo sem você

🌹Fonte: Musixmatch

Compositores: Vinicius De Moraes / Antonio Carlos Jobim

Letra de Eu não existo sem você © Bendig Music Corp

imagens do Pinterest

Assista a “Maria Bethânia – Cálice” no YouTube

💚💛💚 Cálice

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Pai, afasta de mim esse cálice, pai
Afasta de mim esse cálice, pai
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta

De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Pai (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado

Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

Pai (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

De muito gorda a porca já não anda (Cálice)
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta (Cálice)
Essa palavra presa na garganta

Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

Pai (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice (Pai)
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Talvez o mundo não seja pequeno (Cálice)
Nem seja a vida um fato consumado (Cálice)
Quero inventar o meu próprio pecado (Cálice)
Quero morrer do meu próprio veneno (Pai, cálice)

Quero perder de vez tua cabeça (Cálice)
Minha cabeça perder teu juízo (Cálice)
Quero cheirar fumaça de óleo diesel (Cálice)
Me embriagar até que alguém me esqueça (Cálice)

💛💚Fonte: Musixmatch

Compositores: Gilberto Gil / Chico Buarque

Letra de Cálice © Preta Music, Inc., Cara Nova Ed. Musical Ltda.

imagens: internet

ps: Não vamos nos calar!

Assista a “Maria Bethânia recita Eros e Psique de Fernando Pessoa” no YouTube

💕Eros e Psique



Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada.

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa adormecida,
Se espera, dormindo espera,
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado,
Ele dela é ignorado,
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o destino
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

Fernando Pessoa

Assista a “Casinha Branca – Maria Bethânia” no YouTube

CASINHA BRANCA🌼✨🌸

  • Eu tenho andado tão Sozinho
    Ultimamente
    Que nem vejo à minha frente
    Nada que me dê prazer
    Sinto cada vez mais longe
    A felicidade
    Vendo em minha mocidade
    Tanto sonho perecer
    Eu queria ter na vida
    Simplesmente
    Um lugar de mato verde
    Pra plantar e pra colher
    Ter uma casinha branca
    De varanda
    Um quintal e uma janela
    Para ver o sol nascer
    Às vezes saio a caminhar
    Pela cidade
    À procura de amizades
    Vou seguindo a multidão
    Mas eu me retraio olhando
    Em cada rosto
    Cada um tem seu mistério
    Seu sofrer, sua ilusão
    Eu queria ter na vida simplesmente
    Um lugar de mato verde
    Pra plantar e pra colher
    Ter uma casinha branca de varanda
    Um quintal e uma janela
    Para ver o sol nascer
    Eu queria ter na vida simplesmente um lugar de mato verde
    Pra plantar e pra colher
    Ter uma casinha branca de varanda
    Um quintal e uma janela
    Para ver o sol nascer
    Eu queria ter na vida simplesmente
    Um lugar de mato verde
    Pra plantar e pra colher
    Ter uma casinha branca de varanda
    Um quintal e uma janela
    Para ver o sol nascer

✨🌸🌼✨Compositor: Gilson / Joran / Marcelo