Hortaliças cresceram em solo semelhante ao de asteroides

E se astronautas fizessem pit stop em asteroides com plantações de hortaliças? Parece ficção científica, mas alguns pesquisadores trabalham para que esse cenário se torne realidade no futuro.

Em um experimento, alface, rabanete e pimentas cresceram em misturas de turfa e um material que imita fragmentos de rocha e solo de um tipo de asteroide que contém fósforo e potássio em sua superfície – nutrientes que poderiam favorecer o desenvolvimento das plantas.

Esse é um dos estudos que nascem de um problema sobre a dieta dos astronautas. Ela geralmente consiste em alimentos desidratados e de preparação rápida, porque não é possível levar alimentos frescos (que demandam conservação adequada, com refrigeradores) para o espaço.

Isso não só significa refeições pouco interessantes e nutritivas, mas também dificulta missões de longo prazo – porque, claro, passar muito tempo no espaço demandaria carregar muitos suprimentos. Então a agricultura espacial pode ser o próximo passo em direção à sustentabilidade no espaço, como escrevem os pesquisadores do novo estudo, publicado no Planetary Science Journal.

Alface, rabanetes e pimentas vingaram. Experimento investiga a possibilidade de uma futura agricultura espacial.

Hortaliças cresceram em solo semelhante ao de asteroides

publicado em superinteressante

Asteroide extinguiu os dinossauros na primavera do Hemisfério Norte

Há 66 milhões de anos, o impacto de um asteroide na península de Yucatán, no México, varreu os dinossauros da face da Terra – e três quartos de todas as espécies que existiam por aqui. Mas o evento pode ter sido especialmente catastrófico para animais do Hemisfério Norte. Eles morreram assistindo ao desabrochar das flores, na primavera.

A hipótese é de uma equipe internacional de cientistas que analisou fósseis de peixes mortos no momento do impacto e encontrou indícios de que ele aconteceu durante a primavera boreal. As descobertas foram publicadas na revista Nature.

Os fósseis estudados, de peixes-espátula e esturjões, foram encontrados no sítio fossilífero Tanis, localizado no estado norte-americano da Dakota do Norte, na formação geológica de Hell Creek. Tanis é um lugar importante para a paleontologia, pois reúne vítimas diretas do impacto e mostra como o evento afetou a vida no planeta.

Acredita-se que a colisão gerou um tsunami que misturou e soterrou todas as criaturas que viviam por lá – que morreram em menos de uma hora. Os fósseis encontrados em Tanis são bem preservados, e os peixes ainda guardam, em suas guelras, pequenas esferas de vidro originárias da rocha espacial que caíram do céu após o impacto.

Fóssil de peixe-espátula encontrado no sítio de Tanis (Estados Unidos) e analisado no estudo.

Os cientistas estudaram os ossos dos peixes a fim de identificar ciclos sazonais de crescimento (mais ou menos como acontece com anéis de troncos de árvores), além de rastrear mudanças anuais na densidade e no volume das células ósseas.

O prato favorito dos peixes era zooplâncton. A abundância desses seres microscópicos varia de acordo com a estação do ano. Pensando nisso, os pesquisadores estudaram mudanças nos isótopos de carbono de um dos peixes. Esses isótopos revelam o padrão de alimentação dos peixes – e logo, a abundância de zooplâncton no ambiente.

Segundo os pesquisadores, todas as variações sazonais estudadas indicam que os peixes morreram na primavera, antes da estação de alimentação chegar ao clímax.

Isso significa que o impacto do asteroide teria acontecido em estágios de vida sensíveis dos organismos do Hemisfério Norte: o início dos ciclos reprodutivos. Isso pode ter contribuído para taxas de extinção maiores entre esses animais.

O estudo indica que, por outro lado, o evento teria sido menos catastrófico para animais do Hemisfério Sul, que se preparavam para o inverno. Isso porque, segundo a teoria principal sobre o evento de extinção, após a intensa onda de calor desencadeada pelo impacto do asteroide, uma grande nuvem de detritos bloqueou parte da luz solar e deixou o planeta na escuridão.

“Para ser capaz de combater aquele inverno nuclear, primeiro você tinha que sobreviver ao impacto”, afirma a pesquisadora Melanie During, autora principal do estudo, ao jornal The Guardian. “Qualquer coisa no Hemisfério Sul que já estivesse abrigado tinha uma chance muito maior de sobreviver.”

“Esta descoberta crucial ajudará a descobrir por que a maioria dos dinossauros morreu, enquanto as aves e os primeiros mamíferos conseguiram escapar da extinção”, afirma em comunicado.

E mais: isso pode ter dado uma vantagem para os animais no Hemisfério Sul. Entenda.

Asteroide extinguiu os dinossauros na primavera do Hemisfério Norte

publicado originalmente em superinteressante

Estudo confirma a presença de um segundo asteroide troiano na órbita da Terra

Por Maria Clara Rossini

A Terra acaba de descobrir uma companhia na sua trajetória ao redor do Sol: o asteroide 2020 XL5, que compartilha a mesma órbita do nosso planeta. Ele foi avistado pela primeira vez no final de 2020, e desde então os astrônomos suspeitam que ele pudesse estar nos “seguindo”. A descoberta foi confirmada em um artigo publicado ontem (01) no periódico Nature CommunicationsIsso faz dele o segundo asteroide troiano terrestre já descrito.

Por definição, os asteroides troianos (ou “trojans”) são aqueles que compartilham mesma a órbita de um planeta. Existem 11 mil deles na órbita de Júpiter (a Nasa inclusive enviou uma sonda que deve estudá-los ao longo de 12 anos). Netuno tem 32 asteroides troianos, Marte tem nove e Urano tem um.

Até agora, os astrônomos só conheciam um asteroide troiano na órbita da Terra: o 2010 TK7, confirmado em 2011. A descoberta de um segundo asteroide desse tipo sugere que talvez existam mais deles por aí – e nós só não conseguimos detectá-los ainda.

Mas pode ficar tranquilo: não há perigo de nenhum deles se chocar com a Terra. Eles ficam presos em regiões chamadas pontos de Lagrange. Todo sistema de interação entre dois corpos (nesse caso, a Terra e o Sol) possui cinco regiões em que as forças gravitacionais se equilibram. Eles são representados pelas siglas L1, L2, L3, L4 e L5 na figura abaixo:

Tanto o asteroide 2010 TK7 quanto o 2020 XL5 estão no ponto L4, seguindo a Terra. Os pontos de Lagrange também são usados para estabilizar a órbita de satélites e telescópios. O telescópio James Webb, lançado pela Nasa no final de 2021, atingiu seu destino final e encontra-se estável no ponto L2.

Os asteroides não vão ficar nessas regiões para sempre. Estima-se que o 2010 TK7 permanecerá no ponto de Lagrange pelos próximos 15 mil anos. Já o 2020 XL5 irá durar 4 mil anos, quando outras forças gravitacionais devem tirá-lo da órbita terrestre.

Calma: isso não significa que ele irá colidir com o planeta. Pesquisadores sugerem que esse tipo de asteroide pode se tornar uma fonte de recursos no futuro

Estudo confirma a presença de um segundo asteroide troiano na órbita da Terra

publicado originalmente em superinteressante

Missão de defesa planetária da NASA irá mudar rota de um asteroide

Há 66 milhões de anos, um asteroide do tamanho de uma cidade atingiu a Península de Yucatán, no México, desencadeando consequências ecológicas que levaram à extinção dos dinossauros. No futuro, seria possível que outro asteroide dessa proporção atingisse a Terra? 

É improvável. Hoje, há tecnologia suficiente para mapear ameaças que ultrapassam um quilômetro de largura. Na verdade, 90% destes asteroides já foram catalogados pela Nasa. O problema são os objetos celestes que se encontram em uma categoria intermediária: nem pequenos demais para serem queimados durante a passagem pela atmosfera terrestre e nem grandes o suficiente para serem notados pelos astrônomos. Falamos aqui de rochas entre 140 e 1.000 metros.

Sonda será lançada na próxima quarta-feira (24) e deverá colidir com objeto espacial daqui um ano. O asteroide não é uma ameaça para a Terra, mas os dados gerados pelo experimento devem ajudar em situações de emergência no futuro

Missão de defesa planetária da NASA irá mudar rota de um asteroide

publicado originalmente em superinteressante

Sonda lançada pela Nasa irá visitar oito asteroides ao longo de 12 anos

No último sábado (16), a sonda Lucy, da Nasa, decolou rumo aos asteroides próximos de Júpiter, conhecidos como Trojans ou asteroides troianos. A sonda passará por oito asteroides ao longo dos próximos 12 anos: Patroclus, Menoetius, Polymele, Orus, Leucus, DonaldJohanson, Eurybates e Queta. 

O objetivo da missão é explorar esses objetos cósmicos para entender como os planetas foram formados. Acredita-se que os asteroides troianos tenham surgido no início do Sistema Solar. Eles compartilham a mesma órbita que Júpiter – ou seja, estão à mesma distância do Sol. Os asteroides troianos estão divididos em dois grupos: um que fica “na frente” de Júpiter, chamado L5, e outro que fica “seguindo” o planeta, chamado L4. Veja abaixo.

 Os asteroides do grupo L4 são batizados em homenagem aos personagens homéricos do lado grego da Guerra de Tróia (como Euríbates, Polímelo e Leuco). Já os asteroides do grupo L5 recebem os nomes de personagens troianos (como Patroclus e Menoetius).

A sonda irá estudar a composição, densidade e estrutura de cada asteroide. O nome “Lucy” é uma homenagem ao hominídeo mais antigo já encontrado, batizado Lucy. O esqueleto de 3,2 milhões de anos levou às principais descobertas sobre a evolução humana. Da mesma forma, a Nasa acredita que os asteroides troianos podem revelar segredos sobre a evolução do Sistema Solar.

A sonda segue em direção a asteroides próximos a Júpiter. Acredita-se que eles sejam fragmentos de planetas – e possam explicar a evolução do Sistema Solar

Sonda lançada pela Nasa irá visitar oito asteroides ao longo de 12 anos

publicado originalmente em superinteressante

Asteroide com potência de mil bombas de Hiroshima destruiu cidade há 3,6 mil anos

Telel Hamã era uma cidade em ascensão durante a Idade do Bronze. Ela estava localizada próxima ao Mar Morto, no Oriente Médio, e era dez vezes maior que Jerusalém na época. Mas, no ano 1.650 a.C., um asteroide atingiu a cidade a uma velocidade de 61.000 quilômetros por hora. A rocha espacial explodiu no ar, a 4 quilômetros do chão, com 1.000 vezes a potência da Little Boy, a bomba atômica que destruiu Hiroshima em 1945.

Essa é a conclusão de um estudo publicado no periódico Scientific Reports. A pesquisa conta com a participação de 21 autores, entre arqueólogos, geólogos, especialistas em sedimentologia e pesquisadores de outras áreas. Hoje, Telel Hamã é um importante sítio arqueológico. Após 15 anos de escavações no local, os cientistas reconstruíram a história de como a cidade foi arrasada.

O pesquisador Christopher Moore escreve que quem estivesse olhando para o céu no momento da explosão teria ficado cego instantaneamente. A temperatura do ar rapidamente atingiu 2 mil ºC. Metais e cerâmica começaram a derreter, e a cidade ficou em chamas. A onda de choque gerada pela explosão atingiu 1.200 quilômetros por hora, demolindo todas as construções. Nenhum dos 8 mil habitantes sobreviveu – fragmentos de ossos são encontrados por toda a cidade.

A descoberta foi feita no sítio arqueológico de Telel Hamã, Oriente Médio. Segundo os autores, a explosão pode ter inspirado a história bíblica de Sodoma.

Asteroide com potência de mil bombas de Hiroshima destruiu cidade há 3,6 mil anos

publicado originalmente em superinteressante

Olhar Digital: Asteroide que caiu em Botswana foi o segundo avistado no espaço antes de atingir a Terra

Olhar Digital: Asteroide que caiu em Botswana foi o segundo avistado no espaço antes de atingir a Terra.O asteroide 2018 LA, que caiu em Botswana em 2 de junho de 2018, foi o segundo avistado no espaço antes de atingir a Terra e provavelmente veio de Vesta, segundo maior asteroide do Sistema Solar. De acordo com publicação feita na revista Meteoritics and Planetary Science, uma equipe internacional de pesquisadores procurava por pedaços de um pequeno asteroide rastreado no espaço e, depois, encontraram 23 meteoritos no interior da Reserva de Caça do Kalahari Central, no país africano.

https://olhardigital.com.br/2021/04/23/ciencia-e-espaco/asteroide-que-caiu-em-botswana-foi-o-segundo-avistado-no-espaco-antes-de-atingir-a-terra/

publicado originalmente em olhar digital

imagens do Pinterest

%d blogueiros gostam disto: