Crianças Yanomami sugadas por dragas de garimpeiros ilegais: esse é o retrato mais fiel do governo Bolsonaro

A mídia corporativa brasileira está mais uma vez “passando o pano” para um caso gravíssimo ocorrido na Terra Indígena Yanomami causando a morte de duas crianças da comunidade Macuxi Yano, região do Parima, que brincavam próximo a uma balsa de garimpo ilegalmente instalada no rio. As duas crianças, de idades de  5 e 7 anos, […]

Crianças Yanomami sugadas por dragas de garimpeiros ilegais: esse é o retrato mais fiel do governo Bolsonaro

publicado originalmente em blog do pedlowski

Coluna Carbono Zero: Amazônia já emite mais carbono do que absorve

A maior parte do oxigênio da atmosfera, entre 50% e 80%, vem dos oceanos, onde ele é produzido pelo plâncton marinho. Não da Amazônia. Mas a floresta absorvia uma quantidade importante de CO2, ajudando a regular a temperatura global. Porém, recentemente veio a má notícia: a Amazônia não cumpre mais esse papel e, em muitos lugares, sobretudo na borda sudeste da floresta, ela já emite mais CO2 do que absorve.

Essa é a conclusão de um estudo (1) liderado pela pesquisadora Luciana Gatti, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), e publicado na revista Nature. A equipe realizou 590 sobrevoos, medindo concentrações de CO2 e CO em quatro regiões da Amazônia, entre 2010 e 2018. E constatou que a floresta, ao menos em algumas regiões, já “virou o sinal” – de sorvedouro passou a ser emissora de carbono.

Em parte, não é difícil entender como isso acontece. A Amazônia inteira tem cerca de 123 bilhões de toneladas de carbono fixado em sua biomassa, no solo e no subsolo. Um jeito rápido de devolver tudo isso à atmosfera, de uma vez, é queimando. O desmatamento, portanto, cumpre um papel de destaque. Quando as árvores são derrubadas, a preparação do terreno para uso futuro (em geral para pasto ou agricultura) envolve queimar a área.

E o que deixa tudo mais preocupante é que as medições colhidas pelo grupo foram feitas entre 2010 e 2018, período em que o desmatamento não estava tão descontrolado quanto agora (naquela época, ele ficava ao redor de 7.000 km2 anuais, antes de explodir para mais de 10.000 km2 anuais em 2019 e 2020).

Isso está acontecendo devido ao desmatamento e às mudanças climáticas. E pode piorar.

Coluna Carbono Zero: Amazônia já emite mais carbono do que absorve

publicado originalmente em superinteressante

Assista a “Repórter Eco | 03/10/2021” no YouTube

A Amazônia está emitindo muito mais gás carbônico do que consegue absorver.

A filha de Chico Mendes , Angela, continua a luta do pai em prol da causa socioambiental.

O fotojornalista André Pessoa em uma coleção sobre a caatinga do Piauí.

Tudo isso e muito mais no Repórter Eco!

imagens do Pinterest

Theodore Roosevelt, ex-presidente americano, mapeou um dos últimos rios brasileiros em 1914

Muita gente escolhe mudar de carreira depois dos 50. Theodore Roosevelt já havia sido governador de Nova York e presidente dos Estados Unidos duas vezes quando chegou ao quinquagésimo primeiro aniversário. Ele até tentou se eleger novamente, mas perdeu nas urnas. Aos 55 anos, ele já estava cansado da política.

A tentativa de sair do marasmo trouxe Roosevelt para o Brasil, resultou em contribuições importantes para a ciência e quase custou a vida do ex-presidente. Essa história inspirou a nova minissérie da HBO, chamada O Hóspede Americano. A produção é dirigida por Bruno Barreto e protagonizada por Aidan Quinn, no papel de Theodore Roosevelt, e Chico Diaz, como o explorador Cândido Rondon. Abaixo, conheça os detalhes da aventura.

Cansado da política, Roosevelt decidiu que queria explorar a Amazônia – e quase morreu durante a expedição. Conheça essa história, retratada em uma nova minissérie da HBO Max.

Theodore Roosevelt, ex-presidente americano, mapeou um dos últimos rios brasileiros em 1914

publicado originalmente em superinteressante

Proteção da Amazônia pode influenciar resultado das eleições de 2022

80% dos brasileiros consideram que Amazônia deve ser prioridade para candidatos à presidência Uma nova pesquisa sugere que a Amazônia já faz parte dos temas que os eleitores brasileiros levarão em conta na hora de votar em 2022. Oito em cada 10 brasileiros (80%) consideram que essa deve ser uma prioridade para candidatos à presidência […]

Proteção da Amazônia pode influenciar resultado das eleições de 2022

publicado originalmente em blog do pedlowski

O genocídio colonial na Amazônia pode ser medido?

 Foto: Darrell Posey / Archive Suchanek

Quantas pessoas viviam nas Américas antes da chegada de Colombo? E quantos deles na Amazônia? E em que medida a colonização europeia levou ao genocídio, ou seja, ao despovoamento desta maior região de floresta tropical? Essas são duas questões na ciência histórica que foram altamente controversas por décadas. Dependendo da abordagem da pesquisa, as estimativas da população pré-colombiana da região amazônica variam de 500.000 a 20 milhões de pessoas. De acordo com um estudo publicado em 2019 (“Quaternary Science Reviews”, vol. 207, p. 13), a colonização da América do Norte e do Sul pelos europeus nos séculos 15 e 16 levou a um genocídio massivo com um declínio populacional estimado em 90 para 95%. 

[…]

O genocídio colonial na Amazônia pode ser medido?

publicado originalmente em blog do pedlowski

Decreto renova atuação das Forças Armadas na Amazônia — Ecoamazônia

Militares voltarão a atuar na repressão de delitos ambientais O presidente Jair Bolsonaro editou nesta segunda-feira (28) o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) que autoriza novamente o emprego das Forças Armadas na repressão a delitos ambientais na Amazônia. 24 more words Decreto renova atuação das Forças Armadas na Amazônia — Ecoamazônia

Decreto renova atuação das Forças Armadas na Amazônia — Ecoamazônia

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro

« O Valor do Ouro que eles tanto ambicionam – Nossos bens reais são as coisas da floresta: suas águas, seus peixes, sua caça, suas árvores e seus frutos. Sem mercadoria! »

Publicado originalmente em Barbara Crane Navarro: Criança Yanomami brincando na água do rio, Alto Orinoco, Amazonas, Venezuela – foto: Barbara Crane Navarro

« Quando um ser humano morre, seu fantasma não carrega nenhum de seus bens nas costas do céu, mesmo que ele fosse muito ganancioso. As coisas que ele fez ou adquiriu são deixadas…

« O Valor do Ouro que eles tanto ambicionam – Nossos bens reais são as coisas da floresta: suas águas, seus peixes, sua caça, suas árvores e seus frutos. Sem mercadoria! »

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro