Vida… pelo Dalai Lama

“Uma árvore em flor fica despida no outono. A beleza transforma-se em feiura, a juventude em velhice e o erro em virtude. Nada fica sempre igual e nada existe realmente. Portanto, as aparências e o vazio existem simultaneamente.”

🌹Dalai Lama

imagens do WordPress

Único inseto natural da Antártida pode entrar em extinção

Experimentos de laboratório conduzidos por uma equipe de pesquisadores dos EUA, Reino Unido e África do Sul mostraram que o aumento da temperatura na Antártida pode colocar em risco a vida do único inseto da região.

Geralmente menor que 1 centímetro de comprimento, ​​o artrópode pequenino Belgica antarctica também é o maior animal terrestre a nunca entrar no oceano. O seu ciclo de vida, marcado por quatro estágios larvais, ocorre em meio a leitos úmidos de musgo e algas, em que ele se alimenta da vegetação e dos resíduos apodrecidos.

Até mesmo esses refúgios congelam durante os invernos rigorosos da Antártida, bloqueando a umidade e ameaçando congelar, também, os insetos. Então, o mosquito desenvolveu uma estratégia para resistir ao frio e evitar a morte.

Como proteção contra o dano causado pelos cristais de gelo, ele se seca lentamente. Sob as condições certas, os insetos têm grande chance de sobreviver até o verão, mesmo depois de perder até três quartos de sua umidade.

Na Península Antártica, microclimas como os ocupados pelo inseto tendem a oscilar entre -5 e 0 graus Celsius. Protegidas por camadas de neve e gelo, as temperaturas podem despencar ao ar livre, mas tem pouco efeito no habitat coberto do bicho.

Um pequeno artrópode aprendeu a perder umidade para sobreviver ao congelamento – e essa pode ser sua ruína.

Único inseto natural da Antártida pode entrar em extinção

publicado em superinteressante

Jarras recuperadas revelam segredos do vinho romano

Três jarras de vinho, chamadas de ânforas, foram recuperadas do oceano e analisadas, dando aos pesquisadores uma visão das práticas vinicultoras da costa italiana durante o período do século 1-2 a.C.

Ânforas são vasos antigos, com forma geralmente ovalada e duas alças laterais simétricas. Eram feitos de barro e usados para transportar e armazenar líquidos, especialmente vinho – mas também podiam conter água, azeite, frutos secos, cereais e mel.

Essas jarras foram encontradas em 2018, perto do porto de San Felice Circeo, cerca de 90 quilômetros a sudeste de Roma. A pesquisa delas envolveu a combinação de técnicas de análise química com abordagens usadas na arqueobotânica.

Os cientistas usaram diferentes formas e combinações de processos para separar e identificar marcadores químicos – como a cromatografia gasosa e a espectrometria de massas – com o objetivo de identificar os restos orgânicos deixados nos jarros.

Pesquisa combinou técnicas de arqueologia, botânica e química para descobrir como era a vinicultura romana – que usava uvas locais e piche importado

Jarras recuperadas revelam segredos do vinho romano

publicado em superinteressante

Maré cheia…por Mágica Mistura

A maré tem caprichos…

Consigo ver nas marés

O movimento da vida

Nesse vai e vem incessante

De bonança, tempestade, calmaria, tormenta

Vazia de emoções, cheia de sentimentos

E deve ,tem de ser assim

Como saber do doce,sem do amargo provar

E a liberdade dar valor,sem se sentir no cárcere?

Vida,vida… aprendizado ao qual ninguém escapa

Deixa a maré levar

Hora cheia,hora vazante


Sempre dinâmica,contestadora

Nunca estagnada,inoperante

Vamos soltos,na maré cheia

Que um dia

Despertos e luminosos


Chegaremos Lá ✨✨✨

imagens do WordPress

%d blogueiros gostam disto: