Mariene De Castro – Canto Das Três Raças (Ao Vivo)

🍀 Canto das Três Raças

Ninguém ouviu
Um soluçar de dor
No canto do Brasil

Um lamento triste
Sempre ecoou
Desde que o índio guerreiro
Foi pro cativeiro
E de lá cantou

Negro entoou
Um canto de revolta pelos ares
No Quilombo dos Palmares
Onde se refugiou
Fora a luta dos Inconfidentes
Pela quebra das correntes
Nada adiantou

E de guerra em paz
De paz em guerra
Todo o povo dessa terra
Quando pode cantar
Canta de dor

E ecoa noite e dia
É ensurdecedor
Ai, mas que agonia
O canto do trabalhador
Esse canto que devia
Ser um canto de alegria
Soa apenas
Como um soluçar de dor

🍀Composição: Mauro Duarte / Paulo César Pinheiro

imagens do WordPress

Fortaleza de 2 mil anos pode fazer parte da cidade perdida de Natounia

Uma fortaleza de pedra encontrada no Iraque pode ser parte de Natounia, uma cidade perdida do Império Parta que se estendia pelo Oriente Médio há aproximadamente 2 mil anos.

A fortaleza de Rabana-Merquly foi construída nas encostas do Monte Piramagrun, na Cordilheira de Zagros, onde hoje fica o Iraque. Ela compreende fortificações de quase quatro quilômetros de extensão e dois assentamentos menores.

O lugar foi alvo de campanhas de escavação entre 2009 e 2022, além de ter sido registrado em fotografias com a ajuda de drones. As estruturas sobreviventes incluem restos de edifícios que podem ter servido de quartel e um complexo religioso. 

A fortaleza de Rabana-Merquly, na Cordilheira de Zagros (Iraque), era um dos principais centros regionais do Império Parta, segundo novo estudo.

Fortaleza de 2 mil anos pode fazer parte da cidade perdida de Natounia

publicado em superinteressante

“Necrobótica”: Aranhas mortas viram garras mecânicas em laboratório.

O laboratório de Daniel Preston, na Universidade Rice (Estados Unidos), está cheio de pequenos cadáveres de aranhas-lobo. Ele e a estudante de engenharia Faye Yap transformaram os aracnídeos em garras mecânicas, dando início à chamada “necrobótica” – junção de “necro”, cadáver ou morte, e “robótica”.

“O conceito de necrobótica aproveita designs únicos criados pela natureza que podem ser complicados ou até impossíveis de replicar artificialmente”, eles explicam no estudo publicado na última segunda-feira (25) na revista Advanced Science.

Os pesquisadores inseriram uma seringa no cadáver para injetar ou retirar ar de uma câmara próxima à cabeça das aranhas, que comanda a movimentação de suas pernas. Assim, mostraram que uma aranha morta poderia manusear objetos pequenos e eletrônicos delicados – e suportar o peso de outra aranha do mesmo tamanho. 

Com uma seringa cheia de ar, pesquisadores acionaram uma câmara que comanda a movimentação das pernas das aranhas.

“Necrobótica”: Aranhas mortas viram garras mecânicas em laboratório.

publicado em superinteressante

Assista a “Clara Nunes – “Peixe com côco” (1981)” no YouTube

Peixe com côco 🥥🐟

Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar
Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar

É um peixe com coco, eu vou lá
É um peixe com coco, eu vou lá
É um peixe com coco, eu vou lá
É um peixe com coco, eu vou lá

A pinga vem do alambique
Valdomiro foi buscar
Terezinha na cozinha
Um peixe com coco tem bom paladar

Antes do peixe tem tira-gosto
Tem sardinha, tem ostra e atum
Tem manjuba, mexilhão, marisco
Tem agulha frita, siri, guaiamum

Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar
Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar

No tempero tem salsa e tem cheiro
Cebolinha, tomate e limão
E tem alho, pimenta-do-reino
Tem coco, dendê, suco de camarão

No final já de barriga cheia
O partido vai continuar
Todo mundo afrouxando a correia
Cantando e sambando até o Sol raiar

Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar
Terezinha mandou convidar
No Domingo vai dar um jantar

🐟🥥Fonte: Musixmatch

Compositores: Medeiros Josias De / Silva Alberto Lonato Da / Silva Jose Francelino

imagens do WordPress

Sai da caixa…por Mágica Mistura

“Existem flores de todas as cores

Frutas de tantos sabores

Chá para muitas das dores

Oração para qualquer dissabor

Também há palavra para toda ocasião

E várias formas de estender a mão

Procure onde mais se encaixa

Só não dá para ficar

Insosso, dolorido, calado e desbotado

Escondido dentro da própria caixa…”

Mágica Mistura

imagens do WordPress

%d blogueiros gostam disto: