Vagando…por Mágica Mistura

Vertiginosa poesia

Quase trágica alegria

Momentos de desapego

Me desassossego

Vagando em delírios

Miraculoso lampejo

Vejo o futuro

Respiro o passado

Quero o agora

Contínuo vagar…

Nas marés do tempo

Espero um momento

Te sinto chegando

Nas asas do vento

…e volto a vagar

✨✨✨

imagens do WordPress

Cientistas descobrem que ave mumificada há 1,5 mil anos é um íbis-sagrado

Há mais de 200 anos, múmias de todo tipo chegam à Universidade Cornell (Estados Unidos) para integrar coleções de antropologia – mas nem todos os artefatos são imediatamente estudados. É o caso de um embrulho de linho armazenado dentro de uma caixa com o rótulo “múmia de falcão”.

A indicação está errada, e a múmia é, na verdade, um íbis sagrado. Foi o que descobriu Carol Anne Barsody, pesquisadora da universidade que recentemente começou a investigar o pacote misterioso usando várias tecnologias para espiar o que há por baixo dos panos sem danificar a múmia.

“Grande parte da arqueologia é destrutiva”, afirma Frederic Gleach, professor que ajudou Barsody em seu estudo. “Uma vez que você escavou algo, não há como ‘desescavar’. Depois de desembrulhar uma múmia, não há como montá-la novamente.”

Embrulho guardado em universidade americana não era o que se pensava; pesquisadores espiaram o interior da múmia misteriosa sem danificá-la. Confira.

Cientistas descobrem que ave mumificada há 1,5 mil anos é um íbis-sagrado

publicado em superinteressante

“Recado da Mãe Divina”

🌷 Recado da Mãe Divina

Vem surgindo um novo tempo
Traz glórias do divino
Mais puros e atentos
Nos tornamos canais do infinito

Vem surgindo um novo tempo
Traz glórias do divino
Mais puros e atentos
Nos tornamos canais do infinito

Mãe divina eu quero ser
Um filho realizado
E é perante o seu poder
Que me entrego pra se libertado

Mãe divina eu quero ser
Um filho realizado
E é perante o seu poder
Que me entrego pra se libertado

Como um rio que corre para o mar
Correntezas carregam o medo
Confiança para atravessar
A fronteira do eu derradeiro

Como um rio que corre para o mar
Correntezas carregam o medo
Confiança para atravessar
A fronteira do eu derradeiro

Não há desculpas para se escorar
Já foi dito, e a hora é essa
O tempo é de se integrar
Abraçando o que ainda resta

Não há desculpas para se escorar
Já foi dito, e a hora é essa
O tempo é de se integrar
Abraçando o que ainda resta

Eu estou morrendo para o passado
E nem anseio pelo futuro
Minha coroa tem brilho dourado
Provo o néctar do amor maduro

Estou morrendo para o passado
E nem anseio pelo futuro
Minha coroa tem brilho dourado
Provo o néctar do amor maduro

Fonte: Musixmatch

Composição: Chandra Lacombe

imagens do WordPress

%d blogueiros gostam disto: