Essência…por Mágica Mistura

Deixamos para trás os valores…

Aonde ficou a essência?

Deixamos cair pela estrada

O que de mais precioso

Nos representa

Se a inércia e o egoísmo dominam,

Distorcem,detonam

Nossa natureza mais pura;

Para a realização profunda

É necessário alcançar,

A verdade, sabedoria, paz interior

Lugares onde não habita a matéria

Não a matéria grosseira

Mas a realidade bela,eterna e etérea

Buscando enxergar o estado puro

Livre,para atuar com o tempo

O espaço,o espírito,a vida

Dando nosso recado ao mundo

Dançando conforme o ritmo

Deixando um rastro bonito

Inteiro, no momento

Entregue ao sabor da coragem

Assumindo as rédeas da existência

Vivendo na plenitude infinita

Reencontrando a essência ✨✨

imagens do WordPress

Expedito, o santo das causas urgentes – e que nunca existiu

Quando se trata da narrativa da vida dos santos, o termo correto é hagiografia (hagios, “santo”; graphía, “escrever”). Essas histórias, geralmente bastante elogiosas aos biografados, vêm sendo registradas desde o cristianismo primitivo, mas ficaram populares mesmo durante a Idade Média, quando a Igreja Católica e os autores religiosos se tornaram especialmente criativos. Foi quando povoaram o imaginário popular com os santos mais improváveis. 

Santo Expedito, celebrado no dia 19 de abril, está na lista dos que não devem jamais ter existido. Tanto que o próprio Vaticano o excluiu de seu calendário oficial durante o concílio realizado entre 1962 e 1965.

Celebrado em 19 de abril, virou padroeiro dos procrastinadores. Mas a devoção a ele é fruto do engano de um convento francês.

Expedito, o santo das causas urgentes – e que nunca existiu

publicado em superinteressante

No final do século 19, competições de caminhada atraíam multidões nos EUA

Por Rafael Battaglia

Quanto tempo você levaria para caminhar 724 quilômetros, distância equivalente a uma viagem de Belo Horizonte até Brasília?

Esse era o tamanho do percurso da maioria dos campeonatos de pedestrianismo, esporte que virou febre nos Estados Unidos no final do século 19 e que consistia, basicamente, em observar homens bigodudos andando em círculos. Pouco atrativo? No auge de popularidade, essas competições, que duravam seis dias (o que dava 120 km de caminhada por dia, em média) atraíam mais de 10 mil pessoas, que apostavam milhares de dólares em atletas patrocinados.

Atletas patrocinados, arenas com milhares de espectadores e champanhe para aguentar as maratonas. Bem-vindo ao mundo do pedestrianismo.

No final do século 19, competições de caminhada atraíam multidões nos EUA

publicado em superinteressante

%d blogueiros gostam disto: