Assista a “Dois Sóis – Estrelas de Ouro (Hinário Sete Linhas) Ao vivo no Mahadeva Studios” no YouTube

✨ Estrelas de ouro

“”As estrelas de ouro
Estão brilhando no salão
Então segura na corrente
Prestando muita atenção

Vibre pensamento firme
Saiba o que está fazendo
E não perca a direção
Do seu discernimento

Esta é a lei de Ogum
Ele está no salão
Pra cada trabalhador
Tem Pai Ogum em oração

Vamos cantar direitinho
Para adentrar na cura
E sentir a Santa Força
Derrubar a amargura

Ogum Dele
Ogum Yara
Vibre sua força pra eu vencer essa batalha
Salve São Jorge
Grande guerreiro
Firme aqui e agora a força desse terreiro”

✨Fonte: LyricFind

imagens do WordPress

Nuvens…por Mágica Mistura

Nuvens de algodão

Cabeça nas nuvens…

Nuvens que o vento leva

Perdida em pensamentos

Contando carneirinhos…

O céu fascina,as nuvens idem

Esqueça as dúvidas

Arrefeça as mágoas

Navegue na fantasia

Ei,aquela é um coelho

Não, não…parece um peixe

Peixe o quê?

É um disco voador

Navio do Capitão Gancho…

Moinhos do Don Quixote…

Que nada, é um ninho

Ninho de tartarugas!!?

Talvez de céu,

De chuva,ou de vento

Ainda não sei…

Nada como um olhar mais demorado

Mais atento,criativo

E voltamos a ser criança

Alívio garantido

E sua alegria de volta

Ei, olha lá

Outra ,e outra nuvem

Presentes perfeitos, gratuitos

Vem,vamos imaginar…☁️☁️☁️

Um bombom 🍬

Um balão 🎈

Um patinho 🦆…

imagens do WordPress

Vem aí o open health

O conceito de open banking, um sistema em que o usuário dos bancos pode compartilhar seus dados entre as instituições, foi recebido com otimismo quando lançado, um ano atrás. Desde então, seus benefícios ainda não são tão visíveis para os consumidores, até porque se trata de uma mudança demorada no ecossistema. Mas a promessa de vantagens desse modelo tem feito seu raciocínio ser expandido para outros setores, entre eles o de saúde. Em janeiro, o ministro Marcelo Queiroga afirmou que pretende lançar o Open Health, ambiente onde seria possível trocar informações dos pacientes entre convênios, laboratórios, hospitais e outros serviços. “Ao chegar ao hospital com dor de cabeça, a pessoa poderia compartilhar seu histórico de saúde mais fácil, como numa carteira digital”, resume Guilherme Weigert, CEO do Grupo Conexa. “ Se bem implementado, esse sistema pode melhorar o acesso à saúde. Mas há desafios, como garantir a segurança e melhorar a interoperabilidade dos dados”, avalia o especialista. 

+ Artigo de opinião: Open health: novas tecnologias, velhas ideias e muito risco

O que é a interoperabilidade em saúde

Palavra difícil, e que pode virar rotina no ecossistema de cuidados

  • O que é? A interoperabilidade é a capacidade de um sistema trabalhar com outro em harmonia, trocando dados de forma ágil e segura.
  • Tem padrão? Para funcionar, os dados precisam ser compreensíveis e padronizados. Não basta gerar um volume enorme: a língua falada deve ser a mesma.
  • E na prática? Ela permite, por exemplo, que um convênio use estatísticas para melhorar seus serviços e agilizar os atendimentos.
  • Quais os entraves? Hoje, as informações ficam armazenadas em grandes pacotes em diversos bancos de dados. Isso dificulta a análise integrada por programas de inteligência artificial.

Depois do open banking, Ministério da Saúde se movimenta para aplicar lógica semelhante aos dados dos pacientes

Vem aí o open health

publicado em Veja saúde

O bem e o mal do estrangeirismo

Texto Alexandre Carvalho Design e colagem Carlos Eduardo Hara Edição Alexandre Versignassi

[capitular title=”O”]undefined[/capitular] terror dos puristas da língua em Portugal é um youtuber nascido e criado no Engenho Novo, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro: Luccas Neto. Dono do canal infantil Luccas Toon, com 36,9 milhões de seguidores no YouTube, o carioca também é um hit entre as crianças portuguesas. A tal ponto que, em novembro do ano passado, o jornal lisboeta Diário de Notícias publicou uma matéria em tom xenofóbico, reclamando que os miúdos de lá estão cada vez mais a falar “brasileiro”, de tanto assistir Luccas e outros influenciadores daqui.

“Dizem ‘grama’ em vez de relva, autocarro é ‘ônibus’, rebuçado é ‘bala’, riscas são ‘listras’ e leite está na ‘geladeira’ em vez de no frigorífico”, alertou o jornal. “Os educadores notam-no sobretudo depois do confinamento – à conta de muitas horas de exposição a conteúdos feitos por youtubers brasileiros.”

Pais e educadores portugueses estão preocupados. Mas talvez não devessem levar o caso tão a sério. Afinal, mais do que o jeitinho de falar de sua antiga colônia, os lusos usam e abusam de palavras do francês e do inglês – e aí sem a mesma vergonha.

Um exemplo: enquanto, no trânsito daqui, temos em cada cruzamento uma placa indicadora que diz “Pare”, em Portugal a mesma sinalização diz “Stop”. E, lá como cá, o motorista entende muito bem o que deve fazer.

Isso porque o estrangeirismo – a influência de culturas do exterior sobre os costumes e as falas de um povo – é parte da evolução natural de qualquer língua. A forma como nos expressamos se modifica o tempo todo, e um mundo globalizado (fenômeno que não nasceu com a internet – é forte desde as Grandes Navegações, dos séculos 15 e 16) acelera esse intercâmbio linguístico. Tentar proibi-lo é como enxugar gelo. Mesmo assim, já teve político que tentou.

Em 1999, o então deputado federal Aldo Rebelo inventou um Projeto de Lei para limitar o uso de termos estrangeiros no Brasil. Segundo o PL, toda vez que um meio de comunicação de massa, estabelecimento comercial ou peça publicitária usassem uma palavra de fora, teriam de colocar junto a tradução em português.

O projeto excêntrico, claro, não vingou. Até porque, quando um termo de qualquer país é incorporado amplamente nos nossos diálogos e textos, ele na prática deixa de ser estrangeiro. Vira nosso. Todo dicionário nacional está inundado de vocábulos que não brotaram nem em Portugal, nem no Brasil, mas que já são tão de casa quanto receita de caipirinha.

Ou com que palavra de origem portuguesa você pediria uma pizza? O nome dos discos redondos de farinha é um termo italiano cuja primeira menção registrada é do ano 997, na região que mais tarde se tornaria Nápoles. E provavelmente era um estrangeirismo lá também. Há controvérsias, como tudo na linguística, mas tudo indica que a palavra veio do grego pitta – denominação que usamos hoje para o pão sírio.

O mal do estrangeirismo nem está exatamente na substituição de termos, como rooftop no lugar de “terraço”. O problema maior é quando, no afã de pegar algo emprestado de uma língua de fora, deturpamos a lógica da nossa.

Um exemplo? Cada vez mais, brasileiros têm falado e escrito “eventualmente” no sentido de “mais cedo ou mais tarde”, “algo que em algum momento vai acabar acontecendo”… porque esse é o significado de eventually, o termo em inglês. Só que o nosso “eventualmente” sempre quis dizer outra coisa: expressa uma possibilidade, algo que pode ou não ocorrer, ou que acontece ocasionalmente.

Erros semelhantes são o uso do verbo “realizar” no sentido de “perceber’’ e “aplicar” no lugar de “inscrever-se”. Cringe, usado para expressar “vergonha alheia” a partir de 2021, então, é um crime lesa-pátria. No caso, duas pátrias, porque o uso que se deu aqui nunca aconteceu lá fora. No Brasil, virou adjetivo (“ainn, isso é cringe”). Lá fora é verbo. E a expressão correta é cringe worthy (algo digno de constrangimento). Aí complica.

Os donos da língua

Se fosse possível que habitantes de uma região e seus descendentes nunca adotassem termos de outros povos, o Brasil, colonizado por Portugal, não falaria português. É que o vocabulário da nossa antiga metrópole nasceu de uma vitória brutal do latim, a língua oficial do Império Romano, sobre o lusitano, o idioma falado na Lusitânia, território que se estendia entre os rios Douro e o Tejo – e onde viviam os ancestrais dos portugueses desde o Neolítico (10.000 a.C. – 4.500 a.C.).

Sem a incorporação da cultura de uma sociedade (muito) mais poderosa, quando Roma conquistou as tribos lusitanas em conflitos que se estenderam até 138 a.C., os portugueses que colonizaram o Brasil ainda falariam essa língua protoindo-europeia (ou seja, que tem a mesma origem do persa, do hindi, do grego, do germânico e do próprio latim, mas característica o bastante para ter se diferenciado entre as Idades da Pedra e do Bronze).

Rooftop, insight, approach… O Brasil parece cada vez mais inclinado a trocar seu vocabulário todo por termos em inglês. Mas a adoção de palavras de origem estrangeira não tem nada de nova: é tão antiga quanto a capacidade do Homo sapiens de falar, e fundamental para a própria evolução das línguas. Só uma dica: use com moderação.

O bem e o mal do estrangeirismo

publicado em superinteressante

%d blogueiros gostam disto: