Por que não há armas nucleares na Lua? Conheça o Tratado do Espaço Sideral

Se Marte não será, como a Terra, território de perigosas disputas geopolíticas, como acontece agora na Ucrânia, devemos isso a um acordo internacional fechado no dia 27 de janeiro de 1967: o Tratado do Espaço Sideral.

Esse pacto baniu a instalação de armas de destruição em massa para além do nosso próprio planeta e estabeleceu que o espaço é terra de ninguém, e é de todo mundo. Nenhum país pode ser dono de partes da Lua ou de Vênus, por exemplo, e todas as nações têm direito de explorar o espaço cientificamente. Além disso, o tratado, assinado na época por 110 países, proibiu quaisquer exercícios militares em corpos celestiais – tudo que não tivesse fins explicitamente pacíficos.

O acordo ainda diz que a exploração espacial deve ser guiada por princípios de cooperação e assistência mútua – astronautas são obrigados a providenciar ajuda a seus pares de outros países, em caso de necessidade. Diretrizes como esta possibilitam, hoje, que a Roscosmos, da Rússia, e a Nasa, dos Estados Unidos, agências de nações rivais na geopolítica, trabalhem em parceria na Estação Espacial Internacional – o laboratório que opera na órbita da Terra, a uma altitude de 400 quilômetros daqui.

Mas o objetivo principal do Tratado do Espaço Sideral não era aproximar cientistas de superpotências para entender melhor o que há no infinito e além. Ele nasceu mesmo foi por causa dos terrores despertados pela Guerra Fria. E não era só paranoia. 

A crise do Sputnik

Na segunda metade dos anos 1950, bem antes da assinatura do acordo, os EUA e seus aliados ocidentais já propunham, no âmbito das Nações Unidas, uma combinação multilateral que preservasse o espaço exclusivamente “para propostas pacíficas e científicas”. Mas por que justamente os americanos, então com fama recente de vitoriosos em duas Grandes Guerras, se preocupariam tanto na época com a “paz universal”? A resposta estava em Moscou. 

Os soviéticos assombraram o Ocidente quando, em 1957, foram os primeiros a mandar, com sucesso, um satélite artificial para a órbita do nosso planeta: o Sputnik. 

Ter um fruto da ciência do Homo Sapiens flutuando acima da gravidade terrestre, abrindo caminhos para a experiência humana através do cosmos, deveria ser motivo de celebração. Mas não é bem assim que as coisas funcionam aqui embaixo. 

Acordo assinado há 55 anos impôs fins pacíficos à corrida espacial de americanos e soviéticos. E impediu que países ricos fossem donos de planetas.

Por que não há armas nucleares na Lua? Conheça o Tratado do Espaço Sideral

publicado originalmente em superinteressante

Pessoas com artrose podem (e devem) fazer exercícios físicos

Por Fabiana Schiavon

Parece contraditório estimular uma pessoa com dores nas articulações a praticar exercícios físicos, mas a atividade é considerada benéfica e parte essencial do manejo dos sintomas da artrose.

Também conhecida como osteoartrose, a doença degenerativa surge a partir do desgaste do tecido que reveste as extremidades dos ossos (cartilagens) e é mais comum nas mãos, joelhos, quadril e região lombar.

De acordo com Ana Paula Simões, ortopedista e presidente da Sociedade Paulista de Medicina do Esporte, quem tem o diagnóstico da artrose deve trabalhar a musculatura para ganhar mais força e amortecer o movimento da articulação. Com isso, protege a “dobradiça” e evita que ela se desgaste ainda mais.

“O esporte é o melhor remédio para qualquer problema de saúde, e isso inclui a artrose”, explica a especialista, que também é professora instrutora e médica assistente do grupo de Traumatologia do Esporte pela Santa Casa de São Paulo.

+ Leia também: Artrose nos dedos: causas, exercícios e tratamentos

O problema é que, muitas vezes, a dor causada pela inflamação — na fase aguda da doença — faz com que o paciente se afaste da atividade física com medo de machucar ainda mais a articulação.

“Mas isso é ruim pois a musculatura vai enfraquecer, pode haver ganho de peso e até uma piora do humor, agravando o problema”, avalia a ortopedista.

Sintomas e culpados

A condição pode acometer qualquer articulação do corpo, e manifestar sintomas semelhantes. Nos joelhos, por exemplo, costuma provocar estalos ao se mexer, dores, inchaço, limitação de movimentos e a sensação de “pontadas” ou “queimação”. Ainda, a pessoa pode sentir dores ao iniciarem um movimento, que passam em pouco tempo depois.

As causas do problema são variadas: excesso de peso, condições genéticas e até traumas físicos podem provocar um desgaste da cartilagem.

Prática ajuda no manejo da dor e melhora da qualidade de vida dos indivíduos com a doença degenerativa

Pessoas com artrose podem (e devem) fazer exercícios físicos

publicado originalmente em Veja saúde

Saúde…por Mágica Mistura

“Quando compreendermos com clareza que nossa saúde física e mental estão intrinsecamente ligadas à nossa saúde e bem estar espiritual, muitas barreiras cairão por terra e poderemos então, finalmente, tomar as rédeas da nossa existência e promover para conosco e os demais a tão buscada evolução em todos os aspectos.”

Mágica Mistura

imagens do WordPress

Câncer usa tentáculos para sugar células

Por Bruno Garattoni

Pesquisadores do MIT usaram um microscópio eletrônico para estudar o comportamento de tumores e encontraram um fenômeno assustador (1): células de câncer conectadas a células T, do sistema imunológico, por meio de tentáculos minúsculos, com 100 nanômetros (mil vezes mais finos do que um fio de cabelo).

O que eles viram em seguida é ainda mais perturbador: as células tumorais arrancam as mitocôndrias de suas vítimas, e sugam-nas por meio dos tentáculos. A mitocôndria é a “usina” de energia das células; por isso, os cientistas supõem que o tumor se alimente dessa estrutura, que serviria para acelerar o crescimento do câncer. E ao fazer isso, o tumor também se livra das células T, suas inimigas (normalmente, elas matam células tumorais assim que aparecem).

Os cientistas injetaram uma substância que inibe a formação dos tentáculos em ratos de laboratório que tinham câncer – e os tumores cresceram menos. A ideia agora é testar esse inibidor em humanos.

Fonte 1. Intercellular nanotubes mediate mitochondrial trafficking between cancer and immune cells. T Saha e outros, 2021.

Cientistas flagraram o processo, que supostamente serve para alimentar tumor.

Câncer usa tentáculos para sugar células

publicado originalmente em superinteressante

Seu dia…por Mágica Mistura

⁠Que seu dia seja um campo aberto e limpo, onde os momentos trazem a brisa fresca e também tempestade e nuvens, às vezes, até chuva de granizo…mas que, depois de passada a tormenta, renasce forte, com um solo mais rico, pronto para receber as sementes de fé e gratidão que você esteja disposto a semear.

Mágica Mistura

imagens do WordPress

%d blogueiros gostam disto: