O agro não é pop: concentração da terra e uso de venenos crescem juntos

Censo Agropecuário reforça relação entre os dois fenômenos, e pesquisadores alertam para riscos à segurança alimentar Por Guilherme Zocchio para “O Joio e o Trigo” Concentração de terras e aumento no uso de agrotóxicos andam de mãos dadas. Além de revelar aumento de 20,4% no número de propriedades rurais que usam venenos na última década, os dados […]

O agro não é pop: concentração da terra e uso de venenos crescem juntos

publicado originalmente em blog do pedlowski

Luto: temporal da dor

Eu estava no dentista perto de casa, em São Paulo, quando recebi a fatídica ligação do meu irmão. “Ingrid, já comprei a passagem aérea. Você vem para Teresina amanhã. O papai foi internado.” Oi? Eu não queria acreditar no que estava acontecendo. O medo dominava completamente a minha razão.

A única coisa que consegui perguntar foi: “Mas se eu preciso ir significa que é grave?”. Ele hesitou: “Acho que a família precisa ficar unida nesse momento”. Desabei em lágrimas.

Uma semana antes desse dia, meu pai contou que estava com Covid-19 na ligação diária que realizávamos. Mas seu otimismo e alegria de sempre o faziam falar convicto de que ia vencer o vírus. Uns três dias depois da conversa por telefone, mamãe avisou que também tinha contraído a doença.

Entrei em desespero. Queria voar para Teresina naquele dia mesmo, mas papai não deixou, disse que eu correria risco e que era para ficar tranquila porque eles iam ficar bem. Me despedi reafirmando que estava com muito receio, afinal eles são a coisa mais importante da minha vida.

Depois de ouvir um “Eu te amo” dele, desliguei. Aquela foi a última vez que falei com meu pai.

Começo com a minha história porque perder alguém na pandemia é essencialmente traumático. A Covid-19 se demonstrou uma doença imprevisível, uma roleta-russa que nem a medicina sabia, a princípio, como desarmar. E não fui um caso isolado.

“As mortes por Covid-19 são completamente desestabilizadoras”, diz o psicólogo Rodrigo Luz, fundador do Instituto Pallium Brasil, que trabalha com suporte a pessoas em luto e cuidados paliativos.

“Os enlutados não chegavam antes com tantos sintomas de estresse pós-traumático, com tanta desorganização mental como agora. Vivemos o maior experimento psicológico do século, e os desafios se mostram ainda maiores”, interpreta.

Uma das consequências mais devastadoras da Covid-19 é o luto que tanta gente vivencia e vai se arrastar até depois do controle da doença. Entenda

Luto: temporal da dor

publicado originalmente em Veja saúde

A Maldição do Farol…Bem vindos ao lar ( final)

Os jovens acordaram sobressaltados com o sonho que tiveram, mas para não parecerem imaturos ou supersticiosos , não comentaram nada sobre isso um com o outro. Reuniram suas coisas e saíram para o novo dia. O carro parecia estar menos enterrado que na noite anterior, Nando sugeriu que cavassem em torno dos pneus para aliviarem o atrito com a areia. Começaram então a cavar cada qual de um lado. Ofegante pelo esforço, Beto não percebeu que Nando estava muito quieto, só se deu conta quando viu as mãos desesperadas do rapaz tentando agarrar o para choque do carro… Nando estava submergindo na poça de areia…areia movediça…


Ele então levantou horrorizado e com toda sua força tentou arrancar o namorado da lama mortal, mas na ânsia de salvá-lo, desequilibrou- se e caiu, na mesma areia movediça, na mesma maré negra, que eles sonharam e não quiseram compartilhar…nos últimos segundos de vida ainda se tocaram, levemente nos dedos, com tanto amor como tinham minutos antes, onde ainda brilhavam o céu e o sol em seus olhos…em segundo plano, o carro afunda…


O faroleiro agora desce e vêm ao encontro do casal, que não tinha planos de morar no Farol da Enseada, mas que agora vai fazer daqui sua nova casa…lar é onde estamos com quem amamos, não é mesmo?
A noite promete, chegaram novos hóspedes ao farol…

….

imagens do Pinterest

%d blogueiros gostam disto: