Funcionários da Blue Origin expressam preocupação com segurança dos veículos

Na manhã desta quarta-feira (13), a Blue Origin, empresa de Jeff Bezos, realizou seu segundo voo tripulado. Quatro pessoas estavam a bordo da cápsula New Shepard, que partiu às 11h50 (horário de Brasília) de uma base no Texas. A viagem durou cerca de dez minutos e proporcionou aos viajantes a sensação de gravidade zero por quatro minutos. William Shatner, que interpreta o Capitão Kirk no filme Star Trek (Jornada nas Estrelas), estava entre os tripulantes. Com 90 anos, o artista se tornou a pessoa mais velha a ir ao espaço.

No dia 30 de setembro, um grupo de 21 funcionários e ex-funcionários da Blue Origin divulgaram uma carta, publicada no site de denúncias Lioness, expressando preocupação com a segurança dos veículos da empresa. O documento também foi enviado à Administração Federal de Aviação americana (FAA), que regula os aspectos da aviação civil e transporte espacial nos EUA.

21 atuais e ex-empregados da empresa espacial de Jeff Bezos publicam carta afirmando que há mais de 1.000 documentos relatando problemas nos foguetes – mas eles são ignorados para manter ritmo rápido de lançamentos.

Funcionários da Blue Origin expressam preocupação com segurança dos veículos

publicado originalmente em superinteressante

Como a pandemia pode ter ajudado a criar bactérias superresistentes

pandemia de covid-19 pode acelerar o processo de evolução da chamada resistência bacteriana. Isso acontece quando esses micro-organismos conseguem se adaptar e se tornar refratários ao tratamento com antibióticos, dando origem a bactérias mais difíceis de combater.

Consideradas um desafio para a medicina, as chamadas superbactérias já eram motivo de preocupação das principais organizações de saúde antes mesmo do Sars-CoV-2 se espalhar pelos seis continentes e infectar mais de 235 milhões de pessoas.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2019, a estimativa era de que, até 2050, cerca de 10 milhões de pessoas morreriam, a cada ano, por doenças resistentes a medicamentos. Agora, a previsão está sendo revista.

Crenças equivocadas e outros motivos promovem o consumo exagerado de antibióticos durante a pandemia, o que pode trazer outro problema de saúde pública

Como a pandemia pode ter ajudado a criar bactérias superresistentes

publicado originalmente em Veja saúde

E se todos os países adotassem bitcoin?

No dia 7 de setembro de 2021, El Salvador se tornou o primeiro país a reconhecer o bitcoin como moeda oficial (junto com o dólar americano – eles não têm moeda própria). No mesmo dia, a  cotação da criptomoeda caiu 9%.

Um dia antes, o governo de El Salvador havia comprado 400 bitcoins por US$ 20 milhões, preparando-se para a mudança. Isso ajudou o valor da cripto saltar para US$ 52 mil. Porém, bastaram algumas horas e a cotação já havia caído para US$ 47 mil. Duas semanas depois, a cripto baixou outros 14%, para US$ 40 mil.

Nada disso teve relação com a atitude de El Salvador. Mas deixou clara uma obviedade acerca da cripto: sua flutuação de preço no mercado ainda é instável demais para que ela faça a contento o papel de uma moeda de verdade. Pessoas comuns dificilmente aceitariam usar como meio universal de troca algo cujo poder de compra é imprevisível.

Mas vamos jogar com a hipótese de que dê a louca nos Bancos Centrais e eles decidam que não existem mais moedas nacionais. Só bitcoin.

A inflação acabaria num piscar de olhos…. e isso não seria nada bom para a economia

E se todos os países adotassem bitcoin?

publicado originalmente em superinteressante

O Rio e o Oceano…por Osho

“Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano ele treme de medo.
Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas,o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre.
Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.
Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência.

Você pode apenas ir em frente.
O rio precisa se arriscar e entrar no oceano.
E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece.
Porque apenas então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano.
Por um lado é desaparecimento e por outro lado é
renascimento.


Assim somos nós.
Só podemos ir em frente e arriscar.
Coragem! Avance firme e torne-se Oceano! “

🌷Osho

imagens do WordPress

O Dia dos Povos Indígenas é um feriado celebrado nos países colonizados para homenagear os povos indígenas e comemorar suas histórias e culturas – enquanto governos e empresas continuam a pilhar, saquear e roubar territórios indígenas!

Nos Estados Unidos, o Dia dos Povos Indígenas evoluiu como uma alternativa ao « dia da invasão » – o Dia de Colombo – que celebrava a chegada de Cristóvão Colombo ao Novo Mundo em 12 de outubro de 1492 e o início da colonização da América do Norte. Os nativos americanos protestaram contra a ideia de […]

O Dia dos Povos Indígenas é um feriado celebrado nos países colonizados para homenagear os povos indígenas e comemorar suas histórias e culturas – enquanto governos e empresas continuam a pilhar, saquear e roubar territórios indígenas!

publicado originalmente em Bárbara Crane Navarro