Assista a “CULTURA HUMANISTA E TECNOLOGIA – Lúcia Helena Galvão da NOVA ACRÓPOLE” no YouTube

O dilema entre os sentimentos humanos e a modernidade tecnológica.

Professora Lúcia Helena Galvão em uma aula relevante e imperdível.

imagens do Pinterest

O chamado…

Pare e ouça o chamado

Auscute a Terra, perceba o ar

Note a majestosa presença que tudo preenche

Delicie -se com a dádiva da vida

Prove o sabor,o tom , a luz e a cor

Ouça as palavras que os velhas árvores te oferecem

Palavras tão antigas quanto o Cosmos

Símbolos esquecidos de um reino fabuloso

Que de tão longe , tão perto está

Um lugar de magia cósmica

Beleza profunda e conhecimento milenar

Vamos … os Mestres nos aguardam

Cicerones desta jornada de Luz

E as fadas,elfos e duendes não tardam…

A Mãe Terra têm sede, têm saudade

Do teu respeito,do teu carinho

Do teu retorno às origens

Livre e solto feito folha ao vento

Criança dos céus envolta

No mar eterno da felicidade…

imagens do Pinterest

Fordlândia: o vilarejo mal-assombrado

No ano de 1927 um dos maiores magnatas da indústria automobilística, Henry Ford, precisava de novas formas de possuir borracha, um dos ingredientes mais importantes para a sua empresa, já que comprar dos britânicos e asiáticos estava saindo muito caro, e Ford não gostava de desvantagens.

Foi então que ele pensou em um projeto no Brasil, um país com muitas seringueiras, árvore onde o látex é extraído e que mais tarde se torna a borracha. Podendo extrair a matéria-prima diretamente da fonte, é muito mais barato.

Para realizar seu plano, construiu uma vila no estado do Pará com casas, escolas, hospitais e outros edifícios. Tudo construído com o modelo norte-americano.

O projeto não foi finalizado por diversos motivos, mas seu principal erro foi contratar engenheiros agrônomos que não estavam familiarizados com o clima amazônico, ou seja, as plantações sofreram ataques de pragas e o trabalho de anos foi perdido.

Além disso, com o tempo a tecnologia trouxe uma maneira muito mais fácil e barata de fabricar borracha, o petróleo.

A vila construída por Henry Ford que hoje é mal-assombrada

Fordlândia: o vilarejo mal-assombrado

publicado originalmente em psantinati

Teste de Covid-19 criado no Brasil detecta vírus na saliva e carga viral

Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) registraram um novo teste para detecção do SARS-CoV-2 na saliva. Além de identificar a presença do vírus, o dispositivo também indica a carga viral da pessoa infectada por meio de um marcador com propriedade eletroquimioluminescente, que emite luz a partir de reações eletroquímicas. Assim, na presença do material genético do vírus, uma reação emite luz vermelha e aponta o resultado positivo para a infecção. A carga viral é detectada pela intensidade da luz vermelha. Caso o aparelho não acenda, é sinal de que o vírus não foi detectado e, portanto, a pessoa não está contaminada. “O teste tem as vantagens de ser portátil, conseguir analisar 20 amostras ao mesmo tempo e poder se conectar a um smartphone. Tudo com a mesma sensibilidade e precisão dos testes de RT-PCR”, disse Ronaldo Censi Faria, pesquisador do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia da UFSCar e coordenador do projeto, fruto do trabalho de doutorado de Taise Helena Oliveira Leite, sob orientação do cientista.

O dispositivo de baixo custo é portátil, pode ser ligado a um smartphone e tem a mesma sensibilidade do RT-PCR

Teste de Covid-19 criado no Brasil detecta vírus na saliva e carga viral

publicado originalmente em Veja

Assista a “Rita Lee – Balada Do Louco” no YouTube

🙂 Balada do louco

Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz

Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão

Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu

Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu

Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu

Sim sou muito louco, não vou me curar
Já não sou o único que encontrou a paz

Mas louco é quem me diz
E não é feliz, eu sou feliz

🙂Fonte: LyricFind

Compositores: Arnaldo Baptista / Rita Lee Jones De Carvalho / Roger Ranson

Letra de Balada do louco © Warner Chappell Music, Inc, Tratore

imagens do Pinterest