Assista a ““Ivermectina é para o gado”, informam os EUA. PMs ameaçam aderir às falanges fascistas e FA assistem” no YouTube

Bob Fernandes em uma análise precisa e cirúrgica…

Anda,vai logo…

FORAAAAA BOLSONARO 🤡

imagens da internet

Da janela

Da janela fixo o verde

A natureza é generosa por aqui

Vida borbulhando em profusão

Pássaros e borboletas dividem espaço

Inspiração e belos vôos

Oxigênio é mato

Literalmente…

Esse ruído da cascata trás a chuva

A sensação dela,pra dentro de casa

E quando olho para fora…

Aparece um beija flor!

Quem mora no mato

Mal pisca um olho

Lá vem uma nuvem, estrela

Sombra,brilho, água,plantas

Chiado,miado, surpresa

Nesta bela vida

E tantas outras…

imagens do Pinterest

Demência também pode aparecer em adultos jovens

Muito associada a idosos, a demência também acomete adultos jovens. Nessa fase da vida, uma das principais causas do problema é a doença vascular — sozinha ou combinada com o Alzheimer. É o que confirma um estudo inédito feito pelo Biobanco da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) já submetido para publicação em revista científica e que está em processo de revisão por pares.

Para chegar ao resultado, os cientistas analisaram o cérebro de 275 indivíduos com menos de 65 anos. Em 10% dos casos, foi identificada a chamada demência vascular, que ocorre por danos causados pela falta de circulação do sangue. “Lesões no cérebro provocadas pela doença dos vasos cerebrais são tão frequentes quanto as lesões da doença de Alzheimer”, afirma Roberta Diehl Rodriguez, neurologista e pesquisadora do grupo de neurologia cognitiva e do comportamento do Biobanco da USP.

Estudo da Universidade de São Paulo analisou o cérebro de 275 indivíduos com menos de 65 anos — e encontrou alterações compatíveis com demência em 10%

Demência também pode aparecer em adultos jovens

publicado originalmente em Veja saúde

Assista a “Sem lenço, sem documento Caetano Veloso Festival da Record 1967” no YouTube

💙 Alegria, alegria

Caminhando contra o vento
Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou

O sol se reparte em crimes
Espaço naves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou

Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e Brigitte Bardot

O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou


Por que não, por que não
Por que não, por que não

Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço e sem documento
Eu vou

Eu tomo uma Coca-Cola
Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Sem livros e sem fuzil
Sem fome, sem telefone
No coração do Brasil

Ela nem sabe até pensei
Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou

Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou

Por que não, por que não?
Por que não, por que não?
Por que não, por que não?

💙Fonte: LyricFind

Compositores: Caetano Emmanuel Viana Teles Veloso

Letra de Alegria, alegria © Warner Chappell Music, Inc

imagens do Pinterest

Cientistas encontram cérebro de caranguejo-ferradura de 310 milhões de anos

Vestígios como ossos, dentes e conchas de animais podem ser preservados em fósseis por milhões de anos. Já os tecidos moles, como os órgãos internos, são mais delicados e propensos à deterioração rápida, então é raro que sobrevivam para contar a história. Por isso, a descoberta recente de um cérebro de 310 milhões de anos em Illinois, nos Estados Unidos, animou os cientistas.

O cérebro pertenceu a um caranguejo-ferradura – que, apesar do nome, é uma espécie mais próxima das aranhas e dos escorpiões do que dos caranguejos em si. É o primeiro cérebro fossilizado já encontrado da espécie. A descoberta foi feita no depósito Mazon Creek, um local conhecido por abrigar registros geológicos do Período Carbonífero (de 360 a 290 milhões de anos atrás).

Como há poucos registros fósseis de tecidos moles de animais, os cientistas não sabem muito sobre a evolução e a própria fossilização desses tecidos. A nova descoberta, descrita em um estudo na revista Geology, preenche algumas das lacunas de conhecimento.

Órgãos internos são delicados e mais propensos à deterioração rápida. A descoberta do cérebro milenar revela um mecanismo de fossilização raro.

Cientistas encontram cérebro de caranguejo-ferradura de 310 milhões de anos

publicado originalmente em superinteressante